segunda-feira, dezembro 30, 2013

O ano sai em paço apressado e deixa muitas marcas em milhares de portugueses, uns pela falta de emprego, outros de casa, muitos de fome, e muitos mais a sustentar bancos e a dar aos ricos.
Para quem trabalhou uma vida inteira, com horários maus, chuva até aos ossos, frio, e calor em cada mata que abunda por este país com falta de limpeza, e muitas deles do estado, e que levamos em troca...nada, vezes nada igual a nada. Os agradecimentos ficam na gaveta,por isso não tenho confiança em nenhum,ou por outra serão muito poucos.
Como não me quero alongar, quero sim deixar amizade a todos que acompanham este blog,que o Novo Ano traga a cada um de nós a esperança perdida, e que o tal túnel se consiga avistar, por menos para aqueles que  deixaram de acreditar em mentirosos, que só olham para si mesmos com aquilo que era nosso.

FELIZ ANO 2014



















sexta-feira, dezembro 20, 2013

Amigos deste blog estamos a dois passos do Natal, como não vou poder por aqui vir mais perto dele. Quero desejar um Feliz Natal com saúde paz e amor.  Um novo Ano de 2014 com mais justiça e fraternidade,  para todos nós Portugueses que uma grande maioria sofre de vária ordem.

FELIZ NATAL


















sábado, dezembro 14, 2013

O Natal se aproxima em passos largos, ainda outro dia o festejamos e já vamos noutro. O tempo agora corre mais rápido desde o meu tempo de criança. Sim, porque naquele tempo o mesmo sobrava para fazer tudo, nada era a correr. Depois esta coisa das prendas que todos nós temos vontade de dar, o mealheiro fica mais curto,e vamos comprando pequenas coisas mais pessoais.Os subsídios foram, as coisas mais caras, também, a folga cada dia é mais pequena para que o mesmo dê para o necessário da vida.
Por tudo isto não perdoo a quem o tirou e nada lhes acontece, o nosso que descontamos está a sair para um saco sem fundo, o tal túnel já nem sei onde fica, perdi a esperança nestes aldrabões que nos enganam a toda a hora.Mas como estamos em época natalícia,vamos ficar em paz e harmonia familiar e solidariedade que nunca falte para estender a mão.



domingo, dezembro 08, 2013

Chegou o mês da magia e do amor maior,da esperança, dos afectos. Como sou mulher da mesma, espero que nunca mude, vou continuar a ter fé e esperança. Sonhos muitos, magia a dobrar como as crianças, que correm para a chaminé na manhã de Natal. O tempo convida a dar as mãos, mesmo que seja menos, vamos esticar as mesmas para que cresçam para alcançar o céu e a terra.

Lisa


quinta-feira, novembro 28, 2013

Por vezes um blog tem a finalidade de escrever, sentimentos, dores, revoltas, sorrisos e coisas que nos enobrece. Atualmente vimos tanta desgraça  em volta do dia de cada um que pensamos que aja remédio para tanta dor.
Já estive algumas vezes para fechar este espaço,mas tenho alguns amigos por quem tenho respeito e amizade,como tal a decisão não é fácil de tomar.
Felizmente da minha parte a vida se faz normalmente, agora que estou aposentada, pensava eu que as preocupações eram a saúde, mas não, é esta incerteza diária a que nos expuseram que nos deixa sem vontade de prosseguir, muito dei a causa dos outros, vi muita dor e sofrimento, mas passados estes anos de Abril, nunca pensei em ler e ver com os meus olhos tanta dor, quem não quer ver anda distraído da dor humana .

Lisa


domingo, novembro 24, 2013

No inverno o mar trás mais recordações, gosto de olhar para ele mesmo que esteja bravo, e não ouça o meu sentir, leva tudo em frente, e de nada se retrai, assim devia ser cada um de nós. Como não me deixou o acariciar, só encostei a fase e lhe dei meu cabelo para o enfeitar de salpicos, molhou meus olhos para recolher a lágrima, e a levou consigo, num dia próximo a vou buscar e ver como ele a tratou. Por vezes sentimos tanto dissabor de tantos, que só ficamos felizes em olhar para a natureza, que sempre nos dá o prazer de conversar, e a ter por companhia.

Lisa












Foto:Gina Femrite

quarta-feira, novembro 13, 2013

Não é tão simples viver a vida. As vezes, ela contém capítulos imprevisíveis e inevitáveis.
Todo ser humano passa por turbulências em sua vida. A alguns falta o pão na mesa; a outros, a alegria na alma. Uns lutam para sobreviver.
Outros são ricos e abastados, mas mendigam o pão da tranquilidade e da felicidade.
Por isso há miseráveis que moram em palácios e ricos que moram em casebres.
A vida é belíssima, mas não é tão simples vivê-la. Às vezes, ela se parece com um imenso jardim.
De repente, a paisagem muda e ela se apresenta árida como um deserto ou íngreme como as montanhas. Independentemente dos penhascos que temos de escalar, cada ser humano possui uma força incrível.
E muitos desconhecem que a possuem."

Augusto Cury


Palavras que tão bem cai, nos tempos que todos nós um pouco estamos a viver, as luzes no fundo do túnel andam apagadas e não vejo forma de elas acenderem, isto sou eu a pensar claro.

segunda-feira, outubro 28, 2013

O segredo da vida está no que ela representa para cada um,
tem momentos que pensamos desistir, outros que teimamos
para seguir, mas tudo isto é da força que existe dentro.
Por isso quando nos tentam"passar a perna"nós dizemos!
Ei; onde vais, não é este o caminho, então começamos a alargar
a estrada e tirar todas as pedras nela contidas.
E por vezes são tantas que custa,mas com vontade lá vamos enfrentando

todas as adversidades da vida neste longo caminhar

Lisa
















quinta-feira, outubro 24, 2013

Era inverno eu olhava pela janela
que se debruçava sobre telhados pombalinos
e neste olhar de inverno o rio corria apressado
 para o braço do mar que o esperava
Ao longe o farol avisava.
Hoje a saudade se aproximou
do meu ser e foi mais forte
que uma rocha.
Na minha ilusão fiquei a pensar nesse dia de
inverno e na janela que encantou meu ser
jamais vou esquecer os momentos.

Lisa


terça-feira, outubro 22, 2013

Como diz o povo e se calhar tem razão! Que tristezas não pagam dividas, então nos vamos alegrar e sorrir um pouco enquanto o podemos fazer. O tempo também não ajuda a levantar o astral, de cada vez que se sai é molha certa, a não ser de carro e mesmo assim se tiver onde o parar, porque agora em todos os lados é de moeda, vida está complicada ou será que nos complicaram a mesma, na era dos cabelos grisalhos!!!
Hoje pela manhã fui tomar um cafezito e que bem que ele soube, e apreciar a chuva caindo. Assim se fazem os dias aguardando mais esperança e fé que algo mude, sempre esperando tempos melhores. Porque Roma e Pavia não se fizeram num dia, a ver vamos.


sexta-feira, outubro 11, 2013

Com o fim de semana a porta e mudança de temperatura, onde em alguns lados dá chuva. Só podemos desejar um bom fim de semana em paz e alegria, embora os olhares andem pesados o que dói bastante ver, é porta sim e porta não ver os estabelecimentos fechados, os hipermercados já tiveram melhores dias, casas a venda em todo o lado??? Nem digo mais nada, simplesmente amizade e uma flor deixo.

Lisa

















quarta-feira, outubro 09, 2013

Este é o tempo
Da selva mais obscura

Até o ar azul se tornou grades
E a luz do sol se tornou impura

Esta é a noite
Densa de chacais
Pesada de amargura

Este é o tempo em que os homens renunciam.

Sophia Mello Breyner



















Foto daqui: http://sosleitoresmurca.blogspot.pt

quinta-feira, outubro 03, 2013

Mesmo em dia cinzento devemos sempre acalentar a esperança, que amanhã, pode e deve ser melhor, o dia mais azul e um sol intenso, mesmo que ele seja de outono. Hoje ao acordar pensei para mim, tentar ser feliz é sempre uma aventura, sorrir para a vida, mesmo que ela não seja o que a maioria  queira.Vou fazer o possível para não me embrenhar no cinzento, receber o Outono como deve, mesmo que as folhas caiam na margem do passeio e fiquem tristes a olhar para quem as pisa.
Meus amigos sejam felizes.






segunda-feira, setembro 30, 2013

Arte poética

Vai pois, poema, procura
a voz literal 
que desocultamente fala
sob tanta literatura.
Se a escutares, porém, tapa os ouvidos,
porque pela primeira vez estás sozinho.
Regressa então, se puderes, pelo caminho
das interpretações e dos sentidos.
Mas não olhes para trás, não olhes para trás,
ou jamais te perderás;
e teu canto, insensato, será feito
só de melancolia e de despeito.
E de discórdia. E todavia
sob tanto passado insepulto
o que encontraste senão tumulto,
senão de novo ressentimento e ironia?

Poema de Manuel António Pina.














sábado, setembro 21, 2013

Montes  e vales queimados morrendo aos poucos a solidão dos mais velhos.Vergados pela idade, sentem que as forças já são poucas para enfrentar a vida.Seus olhares se perdem na penumbra que a terra queimou, são poucos os jovens que pela serra habitam, fugiram da terra que nada lhes deu, somente o berço ficou guardado na recordação.
A pouca terra que não ficou queimada, já ninguém a cultiva, os braços fortes partiram a muito,o gado é pouco,somente o olhar se perde pelo cansaço da noite e dos dias que custam a passar,parecendo uma eternidade.Os velhos ficam a pensar, como seria bom todos voltarem,sorrisos de criança na escola da aldeia. Assim vão pensando na tristeza de ficar sós  e de ver os filhos partirem. Ficarão na soleira da porta onde o seu olhar já cansado se perde no horizonte, e na calçada contrafeita porque ainda não chegou por lá progresso e  dignidade, a casa de pedra e colmo ficará por lá, até que chegue novo verão e a volte a queimar, e onde a esperança ficará reduzida a cinzas.

Depois de algum cansaço e dor, apeteceu pegar na caneta e escrever o que senti ao olhar.


















domingo, setembro 08, 2013

Houve um tempo em que a minha janela se abria para um chalé. Na ponta do chalé brilhava um grande ovo de louça azul. Nesse ovo costumava pousar um pombo branco. Ora, nos
dias límpidos, quando o céu ficava da mesma cor do ovo de louça, o pombo parecia pousado no ar. Eu era criança, achava essa ilusão maravilhosa e sentia-me completamente feliz.

Cecília Meireles















Foto: carlafranco.files.wordpress.com

domingo, setembro 01, 2013

Setembro! 

Sabe a mar e saudade,dos sonhos que por lá ficaram, do sobrevoar e gritos de gaivotas, da areia que correu pelas mãos e fugiu entre os dedos. Dos amores que ficaram na praia, o por do sol a faina do mar, ele chegou com calor ainda. Esperamos que as noites fiquem mais serenas e apeteça aquele café ainda na esplanada saboreando a noite.

Lisa


sábado, agosto 31, 2013

Já era para ter vindo por aqui, mas o mês findo foi para tentar dar uma volta. Depois com este problema dos fogos coisa que nunca poderei deixar de pensar uma vez que pertenço a esta causa, e este blog foi criado com o nome Agulheta que representa aquilo que se precisa para deitar agua. Embora agora não vá para os fogos nem em socorro porque passei para o quadro de honra. Foram muitos anos ao serviço no ativo e hoje em dia continua a mexer com os meus sentimentos a toda a hora.É realmente uma causa que permanece em nós, e nada nos faz recuar perante tanta tragédia que aos nossos olhos se depara. Por tudo isto, Bombeiro sempre até morrer e Vida por Vida o lema.



















terça-feira, agosto 06, 2013

Esta maneira de ser que tenho em gostar de justiça, por vezes fico inquieta de ver tanta coisa que aos meu olhos é uma afronta. Para aliviar um pouco esta inquietude, vou dar umas voltas por aqui, por ali, nas aldeias vizinhas. Olhar os animais, os lavradores a tratar do campo é a vantagem de morar fora das cidades e confusão. Então, se o tempo ajudar, terei muito que ver e apreciar.
Como sou apaixonada pela natureza, vou a descoberta dos tons, do verde das árvores, ou simplesmente observar aquilo que temos, e onde se esconde uma beleza sem fim. Agua cristalina a correr dos ribeiros, pássaros cantando pelo meio dos campos, é aqui, onde se esconde a beleza da vida, está guardada para se apreciar enquanto temos. E assim nos fazemos a estrada, e uma forma de não pensar em coisas que não gostamos, ou não queremos ver. Elas são tantas que dói  só em pensar, não só em nós,e como será para a frente, a quem não se preocupa com o amigo,ou  vizinho, não vale nada. Portanto temos de olhar o futuro que se avizinha trágico para muitos, enquanto outros cantam e riem da desgraça alheia.

Amigos deste blog, este mês não será o melhor para andar por aqui, se tem outras coisas para fazer,virei sempre que poder. Sejam felizes.












quarta-feira, julho 24, 2013

Não poderia deixar passar uma data importante para este blog. Foram muitas letras, desabafos, alegrias, poesias e até alguns ensinamentos. Hoje mais madura nestas coisas, vejo e sinto que muito mudou, algumas para melhor, mas a maioria para pior.
De alguns amigos ficaram saudades dos seus posts que adorava ler, outros deixaram de postar e assim se foi construindo coisas. Este blog tem uma marca, e assim vai continuar. Já pensei deitar abaixo mas depois, a pena do trabalho feito é muito para desperdiçar. Quando alguns se vão embora pela porta, entra sempre alguém pela janela, é como na vida. Deus fecha a porta, mas abre sempre uma grande janela para nós. Como é verão não estamos sempre presentes, quando vem o outono e inverno nos convida mais ao lar e a comunicar.
Então estes 6 anos foram bons,ou muito bons direi eu.
Lisa

















Imagem do google.

quarta-feira, junho 19, 2013

Meus amigos que por aqui gostam de vir! 
Tenho muito gosto que o façam e que continuem. Por mim vou descansar um pouco daqui e volto daqui a dias, vou aliviar pensamentos, porque os mesmos andam fartos de tanta maldade em volta de nós.
Até um dia destes,e sejam felizes sempre...até breve.

Lisa













sexta-feira, junho 14, 2013

Dança de Junho.

Em silêncio nas coisas embalados
Vão dançando ao sabor dos seus segredos,
Nos seus vestidos brancos e bordados
Raios de lua poisam como dedos
E em seu redor baloiçam arvoredos
Escuros, entre os céus atormentados.

Sophia de Mello Breyner















Foto google.

sábado, junho 08, 2013

Todos nós precisamos de colorir alguma coisa.
Um sorriso,a esperança,o amor a paz.
Assim deixo ao gosto de cada um, 
a forma de colorir sua vida, e
que, a realize com a cor que mais gosta.
desde que os sentimentos sejam reais,
sem ódios, sem frustrações, mas verdadeiros.

Lisa

















Foto daqui:http://construir.daysesene.com

segunda-feira, junho 03, 2013

O pensamento de cada um é tão livre como gaivotas,
é  como ler, sonhar e amar, escrever e pensar.
Meu livro é o pensamento quando o deixo correr como o rio
soltar as mesmas como o vento, nem preciso pegar nele...o livro.
Tem escrito afectos, emoções, liberdade de sentir
ensinamentos que ficam guardados, e nos desperta em qualquer hora.
Tenho dias que adoro ler este meu livro...pensamento, 
onde ele me leva, o que consigo fazer com ele  em qualquer momento.
Ninguém me pode tirar este livro tão precioso, mesmo que teimem,
que tentem calar a voz, ele continua desperto como o bom soldado,
me leva a todas as paragens, boas e más, aquelas que não voltam,
mas que ficaram, para a qualquer hora eu dizer presente.
Temos partes de nós que ficam velhas,cansadas da vida
mas este livro não; ficará sempre com nós até a hora da partida

Lisa






terça-feira, maio 28, 2013

"E quando eu me lembrava de que no dia seguinte o mar se repetiria para mim, eu ficava séria de tanta ventura e aventura. Meu pai acreditava que não se devia tomar logo banho de água doce: o mar devia ficar na nossa pele por algumas horas. Era contra a minha vontade que eu tomava um chuveiro que me deixava límpida e sem o mar. A quem devo pedir que na minha vida se repita a felicidade? Como sentir com a frescura da inocência o sol vermelho se levantar? Nunca mais? Nunca mais. Nunca."


Clarice Lispector, in "Banhos de Mar"



















Foto retirada da net.

segunda-feira, maio 20, 2013


"Borboleta. Que se instala no corpo inteiro, não apenas no estômago como o habitual. Vistosa e incansável. Vaga por espaços impensáveis  Ronda por capricho um campo de sentimentos já obsoletos, reaflorando desejos abandonados. Seu objetivo? Inquietá-los, cobrar-lhes qualquer atitude que legitime sua razão de ser. 
De aparência leve e supostamente símbolo da liberdade, na verdade, nos tira o ar, devasta nosso jardim e deixa algumas pétalas na porta para também se fazer recordável, a opressora. Saudade, a hóspede non grata."


Yohana Sanfer


sexta-feira, maio 17, 2013

A PALAVRA

Já não quero dicionários
consultados em vão.
Quero só a palavra
que nunca estará neles
nem se pode inventar.


Que resumiria o mundo
e o substituiria.

Mais sol do que o sol,
dentro da qual vivêssemos
todos em comunhão,
mudos,
saboreando-a.


Carlos Drummond de Andrade



terça-feira, maio 14, 2013


Folhas caidas no chão são a companhia das manhãs.
Pelo trajeto já gasto das passadas, vamos pensando
em coisas da vida, alegres, e algumas tristes.
Em cada acordar é um dia diferente,mas os pensamentos
continuam presentes a cada hora.
Para lá da caminhada, se ouvem os pássaros
a água do rio que canta na passagem.
Como ser humano, penso! Como pode a vida ser tão cruel
para alguns, e mesmo que os pensamentos se misturem,
num bom dia e num olá, aquela incognita permanece
na ida e na vinda, só penso sorrir para tudo se possível

Lisa





















sábado, maio 11, 2013

Que vale perguntar a cada um como é ou como será. Sim cada dia é uma incógnita sem sentido e sem destino, será que já pensaram naqueles que moram e vivem de solidão, de mãos enrugadas que nada sabem, e porque ninguém lhe diz o que se passa em sua volta.
Tenho um nó na garganta quando penso, que passados estes anos todos teria de ver os mesmos a sofrer a deambular pelas ruas, esticando a mão para a esmola. A quem devo perguntar, a ti a mim, porque está a acontecer esta ruína, que todos os dias assistimos impávidos e serenos para este bando de malfeitores que dominam a nossa sociedade. Será que tem filhos, pai e mãe, e não saibam olhar para o lado e ver a miséria que abunda pelo povo! Só posso largar um grito de raiva e dor, por ver todos os dias crianças e jovens sem ter que comer.
Um dia, e não vai a tanto tempo me aposentei, dei o meu melhor no meu trabalho,nunca faltei, dei muitos dias que lhe perdi a conta de voluntariado, alguém agradeceu? Não, antes pelo contrário, continuam a assaltar todos os dias a carteira a ver se fica sem nada. Por tal motivo continuo sem ver a esperança e a luz que tenta fugir, já mais parece uma candeia onde o azeite acaba de arder.
Pergunto que mal fizemos nós, pensionistas, reformados e funcionários públicos, a este bando que governa este país?















Foto da net.

segunda-feira, maio 06, 2013


Palavras!!
As palavras são bandos de pássaros sedentos
que voam para outras paragens
sempre em busca de novas direções







quinta-feira, maio 02, 2013





















Janela tapada com flores,com sonhos,
e aberta aos sorrisos,
à esperança. Nela deve entrar a luz,
a paz,a solidariedade
e o amor nunca faltar.
















O caminho é longo não podes escapar
á luta a persistência, as pedras que tens que
afastar. Lutar com justiça, igualdade e fraternidade
só assim podes soltar o sorriso da vida.

Lisa

quarta-feira, abril 24, 2013


Abril de Abril

Era um Abril de amigo Abril de trigo
Abril de trevo e trégua e vinho e húmus
Abril de novos ritmos novos rumos.

Era um Abril comigo Abril contigo
ainda só ardor e sem ardil
Abril sem adjectivo Abril de Abril.

Era um Abril na praça Abril de massas
era um Abril na rua Abril a rodos
Abril de sol que nasce para todos.

Abril de vinho e sonho em nossas taças
era um Abril de clava Abril em acto
em mil novecentos e setenta e quatro.

Era um Abril viril Abril tão bravo
Abril de boca a abrir-se Abril palavra
esse Abril em que Abril se libertava.

Era um Abril de clava Abril de cravo
Abril de mão na mão e sem fantasmas
esse Abril em que Abril floriu nas armas. 


Manuel Alegre















foto google.

segunda-feira, abril 22, 2013


O mar corre ao longo do pratedo das ondas,
onde o sol o espera de vários tons
Os olhos se fecham cansados do breve momento
A luz do silêncio me ilumina o rosto
que se perde no horizonte!
Ficou comigo o instante,a beleza
e esta vontade de te olhar em fim de tarde

Lisa






terça-feira, abril 09, 2013


O "homem" e toda a sua ganância irá acabar consigo próprio, ele cria, mas logo de seguida destrói, ele faz a paz e de seguida cria a guerra, vende as armas mata, depois reclama. O "homem" protege a natureza, faz mil e uma coisa para a preservar de seguida grandes calamidades nos afligem porque o "homem" não tomou conta como devia de tudo que tentou defender. Ele faz grandes projetos  comunicações, tecnologias. Tudo  que cria é topo de gama, mas tudo isso é só para senhores. A grande verdade, é só para quem vive em volta destes criadores de ilusões de grandes grupos econômicos.  Nunca a maioria das pessoas que habitam neste planeta vão usufruir de tantas descobertas. E estes pedem tão pouco para continuarem a viver com dignidade,pedem trabalho,educação um tecto. Porque na verdade continuamos a ser robot mandados por alguns para nos aprisionarem na teia que o dito "homem" criou a seu belo prazer. Ninguém se iluda,vivemos em democracias que não respeitam os seus cidadãos,e tudo tentam para passar por cima de leis e todo que lhe barrar o caminho, para defessa sim, do grande poder econômico que abunda pelo mundo, assim vejo o "homem" do século XXl e não tem remédio. Cada dia pior, e continuamos a ver aos olhos do dia, toda esta destruição dos povos do mundo


Lisa















segunda-feira, abril 08, 2013

Girassóis

Os girassóis velejam na paisagem.
São mensageiros das searas densas
que se alongam ao longe a conversarem
com as papoulas que o calor incende.

Re recado recente eles me trazem
neste sussurro que nem eu entendo?

Antonio Salvado

















sexta-feira, março 29, 2013


A Páscoa sempre nos trás recordações, os que faltam, os sabores doutro tempo, e principalmente aquele cheiro das flores que se inalava, nas vendedeiras dos mercados, para se enfeitar as casas no sábado de aleluia. Eram as andorinhas, o goivo, narcisos, ciclames, e todas aquelas variedades e cores que alegravam este dia.A mesa devia estar de toalha de linho que era tirada para este dia da velha arca,e na mesa de Domingo não faltava, a regueifa de pão, o folar e a aletria, e amêndoas pequenas a enfeitar a mesa, ninguém pegava em uma que fosse assim era o respeito, a avó era a líder. O pão de ló viria muitos anos depois, com outros hábitos e novas gerações, nos avós era assim. Os mais pequenos arranjavam as flores, que eram as glicininas, e folhas das camélias para fazer os tapetes que enfeitavam as entradas das portas.
Com o crescimento das cidades, se ganhou melhores condições de vida, mas se perderam tradições que só encontramos hoje com força de alguns, principalmente os mais velhos, que tentam não as deixar morrer. Concordo que hoje com mais por onde escolher, parecemos mais tristes do que outrora. 
Lisa

E com estas pequenas memórias guardadas, desejo aos amigos deste blog e visitantes, Feliz Páscoa em paz e amor


















Foto daqui:http://madewitheartbytelma.blogspot.pt


sexta-feira, março 22, 2013


A Tua Voz de Primavera 

Manto de seda azul, o céu reflete 
Quanta alegria na minha alma vai! 
Tenho os meus lábios úmidos: tomai 
A flor e o mel que a vida nos promete! 

Sinfonia de luz meu corpo não repete 
O ritmo e a cor dum mesmo desejo... olhai! 
Iguala o sol que sempre às ondas cai, 
Sem que a visão dos poentes se complete! 

Meus pequeninos seios cor-de-rosa, 
Se os roça ou prende a tua mão nervosa, 
Têm a firmeza elástica dos gamos... 

Para os teus beijos, sensual, flori! 
E amendoeira em flor, só ofereço os ramos, 
Só me exalto e sou linda para ti! 

Florbela Espanca














sexta-feira, março 15, 2013


Pensamento
É um silêncio que rasga os sentidos
como aves soltas em montes da imaginação
É distancia do presente e do ausente
que adormece com nós, e acorda em sobressalto
para o novo dia que vai clarear
Pensamento é um ponteiro do relógio
que gira sem parar. Só quando acaba a corda
deixa de girar e sentir o pensamento,
as ausências, as dores, as alegrias.
Quero continuar a sentir este pensamento
que me acompanha, para rasgar os silêncios
adormecidos.

Lisa/15/03/2013


quinta-feira, março 07, 2013

Meus amigos; sei que as vezes o meu coração salta mais alto que eu própria. Preciso de desabafar certas situações que vimos e nos inquietam a alma. O caso do post anterior, felizmente nada se passa comigo, ou familiares felizmente. Mas olhamos para o lado e vimos muita tristeza, não poderemos ficar indiferente a dor.
Como fui voluntária muito tempo, entrei em muita casa, do rico, do pobre, e a minha vida é um livro com muitas folhas. Como tal sempre procuro levar esperança onde não existe, a palavra força e fé, a mesma que sempre me acompanhou nos momentos mais difíceis das missões.
Daqui a nada é dia da mulher, como mulher, mãe, e avó vai o meu carinho e amizade a todas que sofrem por vários motivos.

FELIZ DIA DA MULHER



domingo, março 03, 2013

Nos dias que correm podíamos escrever só sonhos e coisas lindas,mas olhamos para o lado e tudo em volta parece um túnel sem grandes luzes para muitos infelizmente, é nesses que penso como será a sua vida, só não pensa nisto quem tem um coração de pedra, que nada sente.
Hoje a solidariedade com uns, amanhã com outros, atualmente nos encontramos no mesmo barco, uns mais que outros. As cidades estão mais tristes, as crianças sentem a opressão que os pais vivem, e sempre os mesmos a fazerem as mesmas coisas. Já vivi o suficiente, e vi bastante,  nos anos oitenta os mesmos, mas em versão anterior fizeram o mesmo. Levaram muitos a falência, muitos ficaram sem casa e tudo que tinham. Esta Europa já deu o que tinha a dar,  muitos ficaram bem e agora o zé povinho paga, é tudo uma falsidade, é o que é. O que eles gostam é de viver bem, a custa de quem trabalha, arranjar os tachos para os amigos, e por ai adiante. Depois penso, como podem as pessoas votar sempre nos mesmos parasitas que nos roubam???Fica a pergunta.


quinta-feira, fevereiro 28, 2013

"Não é tão simples viver a vida. As vezes, ela contém capítulos imprevisíveis e inevitáveis. 
Todo ser humano passa por turbulências em sua vida. A alguns falta o pão na mesa; a outros, a alegria na alma. Uns lutam para sobreviver.
Outros são ricos e abastados, mas mendigam o pão da tranqüilidade e da felicidade. 
Por isso há miseráveis que moram em palácios e ricos que moram em casebres.
A vida é belíssima, mas não é tão simples vivê-la. Às vezes, ela se parece com um imenso jardim. 
De repente, a paisagem muda e ela se apresenta árida como um deserto ou íngreme como as montanhas. Independentemente dos penhascos que temos de escalar, cada ser humano possui uma força incrível.
E muitos desconhecem que a possuem." 

Augusto Cury














quinta-feira, fevereiro 21, 2013


Olha-me

Olha-me! O teu olhar sereno e brando
Entra-me o peito, como um largo rio
De ondas de ouro e de luz, límpido, entrando
O ermo de um bosque tenebroso e frio.

Fala-me! Em grupos doudejantes, quando
Falas, por noites cálidas de estio,
As estrelas acendem-se, radiando,
Altas, semeadas pelo céu sombrio.

Olha-me assim! Fala-me assim! De pranto
Agora, agora de ternura cheia,
Abre em chispas de fogo essa pupila...

E enquanto eu ardo em sua luz, enquanto
Em seu fulgor me abraso, uma sereia
Soluce e cante nessa voz tranquila!

Olavo Bilac


sexta-feira, fevereiro 15, 2013


"Não se larga um hábito arremessando-o pela janela, é preciso fazê-lo descer a escada degrau a degrau".
Mark Twain

E como diz a frase ao qual partilho plenamente,e com desejos de bom fim de semana.


quinta-feira, fevereiro 14, 2013

Hoje, uma palavra somente ...amor.
É neste onde encontro os sentidos
de um brisa leve como a alma
E me acolhe nos braços, e sentir
o olhar que aquece o meu coração
Como o nascer, e despertar da flor

Lisa













segunda-feira, fevereiro 11, 2013


" Se alguém lhe bloquear a porta, não gaste energia com o confronto, procure as janelas.
Lembre-se da sabedoria da água : 
A água nunca discute com seus obstáculos, mas os contorna.
Quando alguém o ofender ou frustrar, você é a água e a pessoa que o feriu é o obstáculo!
Contorne-o sem discutir.
Aprenda a amar sem esperar muito dos outros " .


(Augusto Cury)

















Foto daqui: http://kelkonrath.blogspot.pt

terça-feira, fevereiro 05, 2013


Me leva vento a caminhar pela praia selvagem
ao encontro das algas que banham meus passos.
Canta comigo mar,ão  som da bátega no rochedo
Sentir  esse abraço como uma amarra.
salpica meus olhos de maresia,mesmo com a
água fria,me faz sentir o arrepio na pele.
O desejo de caminhar junto de ti e por ti ser amada.
Quando te levantas forte em sons de desespero
como que fosses morrer de dor,é neste bater
que as gaivotas esvoaçam  de ti mar.
Por sentir essa dor soltam as amarras
e voam  para outras paragens

Lisa 05/02/2013
















segunda-feira, fevereiro 04, 2013

Boa tarde amigos deste blog! Depois de dar um pouco cabo dos neurónios,porque eu não desisto, consegui retirar a praga de um blog que aparecia aqui no meu com um nome falso.
Como ainda sou capaz de virar a informática de várias voltas, foi pregar para outra terra porque no meu espaço não tinha lugar.
Vou continuar a visitar os amigos da mesma forma, e escrever de igual modo.Obrigados

domingo, fevereiro 03, 2013

Mesmo depois de avisar o blog continua com o dito blog a atormentar por aqui, então para já tive uma solução fechar o blog a terceiros até resolver como fazer esta coisa, que diabo como pode aparecer este blog com este nome, alguém pensa em me praxar!    NAQUINTADORAU  assim é o nome.

Fechei o blog a té ver darei noticias,aqui ou noutro lado, obrigados a todos que me acompanharam até aqui neste espaço que tanto gosto, mas não vejo outra alternativa, antes que fique com o PC em cangalhas. Mais uma vez obrigados por me lerem e toda a amizade despendida.

Lisa

segunda-feira, janeiro 28, 2013

Informação Urgente.

Amigos deste blog,tenho um blog aqui nos seguidores com o nome de um amigo que nada tem a ver com ele, ou seja ela. O blog em causa tem o nome NA CASA DO RAU da minha amiga Fernanda, clico nele e vai parar a um blog da Indonésia.Quem souber o que fazer me diga, se nada resolver deito o blog abaixo.Obrigados

sexta-feira, janeiro 18, 2013


Adágio, meia voz, sombras e fumo.
Inverno, Inverno só. Que resta agora?
Nunca mais a esperança duma aurora,
duma flor ou de um fruto a escorrer sumo.

Barco à deriva, bússola sem rumo,
lá vão, bússola e barco, oceano em fora.
Nem alazão recusa o freio e a espora,
que eu, Sagitário, tudo aceito e assumo.

Vai,de olhos cegos,perseguindo o vento,
que ninguém oiça, queixa nem lamento,
seja de anjo ou demónio a tua queda.

E que da cinza morna e fumegante,
mais uma vez da cinza se levante
uma grande, uma enorme labareda


Fernanda de Castro (obras completas)  






















segunda-feira, janeiro 14, 2013


Escrever é esquecer. A literatura é a maneira mais agradável de ignorar a vida. A música embala, as artes visuais animam, as artes vivas (como a dança e a arte de representar) entretêm. A primeira, porém, afasta-se da vida por fazer dela um sono; as segundas, contudo, não se afastam da vida - umas porque usam de fórmulas visíveis e portanto vitais, outras porque vivem da mesma vida humana. Não é o caso da literatura. Essa simula a vida. Um romance é uma história do que nunca foi e um drama é um romance dado sem narrativa. Um poema é a expressão de ideias ou de sentimentos em linguagem que ninguém emprega, pois que ninguém fala em verso.

Fernando Pessoa
















quinta-feira, janeiro 10, 2013

Hoje acordei a ouvir este poema, maravilhoso como sempre e muito se adapta ao atual momento da vida de cada um. A cantou, um cantor que já a muito tempo não o ouço,fica para quem gostar.

Madrugada.


Dos que morreram sem saber porquê
Dos que teimaram em silêncio e frio
Da força nascida no medo
E a raiva à solta manhã cedo
Fazem-se as margens do meu rio.

Das cicatrizes do meu chão antigo
E da memória do meu sangue em fogo
Da escuridão a abrir em cor
Do braço dado e a arma flor
Fazem-se as margens do meu povo

Canta-se a gente que a si mesma se descobre
E acorda vozes arraiais
Canta-se a terra que a si mesma se devolve
Que o canto assim nunca é demais

Em cada veia o sangue espera a vez
Em cada fala se persegue o dia
E assim se aprendem as marés
Assim se cresce e ganha pé
Rompe a canção que não havia

Acordem luzes nos umbrais que a tarde cega
Acordem vozes e arraiais
Cantem despertos na manhã que a noite entrega
Que o canto assim nunca é demais

Cantem marés por essas praias de sargaços
Acordem vozes, arraiais
Corram descalços rente ao cais, abram abraços
Que o canto assim nunca é demais
O canto assim nunca é demais

Letra e musica da mesma; José Luis Tinoco



terça-feira, janeiro 08, 2013


O sono não vinha, e ficou em permanente
vigília .Assim temos algumas noites,
e custa tanto a passar, tudo aflora a mente.
Quando o tal sono dos justos aparece dá ideia
que fizemos longas estradas, os cansaços ficaram
no peito, na alma. Ao acordar sinto 
que voltei a revolta de todos os dias.
Mas tenho que viver, lutar, e sentir todos
os gestos e pensamentos.Volto a acreditar
que o amanhã será outro dia,e novas
vigílias virão e mais cansaços.

Lisa













foto daqui:maravista-anamar.blogspot.pt