segunda-feira, setembro 26, 2011

Papoila de chaga sangrenta
na seara de carne morena,
quem dos teus gritos se alimenta
alivia a sua própria pena.


Obra Poética de Armindo Rodrigues

9 comentários:

Ana Paula disse...

Vou ser a primeirinha? Nem acredito:-)
Fantástico e pertinente este curto mas maravilhoso poema.
As papoilas da belíssima imagem ilustram-no na perfeição. Parabéns querida Lisa!!!!!
Beijocas e uma noite recheada de sonhos lindos:-)

**♥✿-franciete-✿♥** disse...

Observar o curso dos astros imaginando-nos seus passageiros através do universo e ter sempre em mente a transformação contínua dos elementos: eis dois pensamentos que, qual enxurrada, levam de rolão as misérias da vida...
Minha querida te desejo de coração amor e paz com beijinhos de luz.

Mona Lisa disse...

Olá Lisa

Belo poema.

Um grito de liberdade.

Bjs.

Sonhadora disse...

Minha querida

Lindo este poema, não conheço o poeta mas adorei.

Deixo um beijinho com carinho
Sonhadora

Dulce disse...

De volta, depois do "susto' do Bug invadindo tantos blogs, passo para desejar-lhe uma otima noite.
Beijos

Secreta disse...

Hm... belissimas palavras!

Nilson Barcelli disse...

Bonita quadra.
Gostei.
Beijinhos.

Dulce disse...

Lisa, vim fazer-lhe uma visita e desejar-lhe um ótimo final de semana.
Beijos

Ana Martins disse...

Bonito, Lisa!
Não conhecia este poeta.

Beijinho,
Ana Martins