quarta-feira, junho 29, 2011

Acho tão natural que não se pense
Que me ponho a rir às vezes, sozinho,
Não sei bem de quê, mas é de qualquer cousa
Que tem que ver com haver gente que pensa ...
Que pensará o meu muro da minha sombra?
Pergunto-me às vezes isto até dar por mim
A perguntar-me cousas. . .
E então desagrado-me, e incomodo-me
Como se desse por mim com um pé dormente. . .
Que pensará isto de aquilo?
Nada pensa nada.
Terá a terra consciência das pedras e plantas que tem?
Se ela a tiver, que a tenha...
Que me importa isso a mim?
Se eu pensasse nessas cousas,
Deixaria de ver as árvores e as plantas
E deixava de ver a Terra,
Para ver só os meus pensamentos ...
Entristecia e ficava às escuras.
E assim, sem pensar tenho a Terra e o Céu.

Alberto Caeiro, in "O Guardador de Rebanhos














E com este pensamento ou forma de o fazer do nosso Pessoa,agradeço aos amigos que por aqui vieram na minha ausência,e como estamos em época de férias,flores e mar,sejam felizes,cada um a seu modo.

segunda-feira, junho 20, 2011

Temos coisas na vida que fazem parte da nossa paixão enquanto pessoa.Gosto de barcos,me fazem lembrar o partir e a chegada, a liberdade de navegar ao sabor das ondas e marés.
Adoro árvores de várias tonalidades de folhagem,de frutos que possa saborear,flores todas sem excepção,campos de girassois,cravinas de um cheiro inigualável,alfazemas,camomila,muitas destas coisas fazem parte da minha infância. Pássaros? Adoro de igual modo,as cores da sua penugem e seu cantar logo pela manhã.Me lembro quando era pequena,me levantar para me sentar num grande quintal da minha avó na relva verde ainda molhada pelo orvalho,só para os ver voar em meu redor e de volta nas árvores dos frutos  para retirar alimento.O meu prazer era somente observar a sua beleza,nunca fiz mal a nenhum.
Como tudo passa rápido,e a liberdade que se tinha era tanta que pensamos que não existia,mas era verdade.O tempo da porta aberta para o vizinho entrar e pedir alguma coisa emprestada a minha mãe e avó? Ou era arroz açúcar,e até café...assim era a vida e muito difícil para alguns.Simples mas de uma felicidade imensa,tenho muita saudade,hoje com tanta coisa a entrar pela porta dentro com publicidade,penso que se perdeu o encanto,não quer dizer que seja saudosista mas que muito mudou é grande verdade.


Lisa

sexta-feira, junho 17, 2011

Se há coisas na vida que devem nortear o ser humano, é o respeito,gratidão e amizade.Estas três coisas são vitais para uma sociedade mais fraterna mais humana assim é a minha forma de pensar.A amizade para mim conta bastante,me habituei ao longo do meu tempo de voluntário que a mesma seja respeitada,ou por outra sagrada.Respeitar o pobre o rico,as ideias de cada um e assim por diante.Vejo muita gente por o espaço virtual,a chamar nomes a mãe de cada um e não gosto,dizer mentiras e levantar falso testemunho sem saber se é verdade,como tal sempre digo, em paz comigo,com os outros e minha consciência.
Quando dentro de um carro de socorro levava alguém! A minha preocupação era uma salvar,saber quem era o que fazia,se era rico e pobre,nada disso tem valor,somente a vida.Nem sei porque estou a escrever isto,mas como diz o blog...fala alto coração,assim foi hoje.
Para todos os amigos que por aqui vierem,muita amizade e respeito por todos vós.

Lisa




Mesmo que as pessoas mudem e suas vidas se reorganizem,
os amigos devem ser amigos para sempre,
mesmo que não tenham nada em comum,
somente compartilhar as mesmas recordações.
pois boas lembranças, são marcantes,e o que é
marcante nunca se esquece!Uma grande amizade
mesmo com o passar do tempo é cultivada assim!

Vinícius de Moraes

quarta-feira, junho 15, 2011

Como tinha dito anterior,penso que fazer penitência será pouco para entrar no painel.Amigos dizem umas coisas outros outra,o que é certo não se sabe o mal.Pelo sim e pelo não me preveni,agora bola para a frente e vou tentar continuar por aqui,como dizem...não há amor como o primeiro,então este blog que tenho à quatro anos,já será um belo "casamento" vamos ver se aguenta e não dá em divorcio, a ver vamos. Aos amigos que comentaram obrigados,como sabem não comento por aqui, mas vou a todos deixar lá o meu abraço e carinho.



E como adoro a poesia de Cecília Meireles fica um dos poemas por mim eleito.

Com que doçura esta brisa penteia
a verde seda fina do arrozal
Nem cílios, nem pluma, nem lume de lânguida
lua, nem o suspiro do cristal.

Com que doçura a transparente aurora
tece na fina seda do arrozal
aéreos desenhos de orvalho! Nem lágrima,
nem pérola, nem íris de cristal...

Com que doçura as borboletas brancas
prendem os fios verdes do arrozal
com seus leves laços! Nem dedos, nem pétalas,
nem frio aroma de anis em cristal.

Com que doçura o pássaro imprevisto
de longe tomba no verde arrozal!
Caído céu, flor azul, estrela última:
súbito sussurro e eco de cristal.

Cecília Meireles