quinta-feira, outubro 21, 2010



A Secreta Viagem

No barco sem ninguém, anónimo e vazio,
ficámos nós os dois, parados, de mão dada...
Como podem só dois governar um navio?
Melhor é desistir e não fazermos nada!

Sem um gesto sequer, de súbito esculpidos,
tornamo-nos reais, e de madeira, à proa...
Que figuras de lenda! Olhos vagos, perdidos...
Por entre nossas mãos, o verde mar se escoa...

Aparentes senhores de um barco abandonado,
nós olhamos, sem ver, a longínqua miragem...
Aonde iremos ter? — Com frutos e pecado,
se justifica, enflora, a secreta viagem!

Agora sei que és tu quem me fora indicada.
O resto passa, passa... alheio aos meus sentidos.
— Desfeitos num rochedo ou salvos na enseada,
a eternidade é nossa, em madeira esculpidos!

David Mourão-Ferreira, in "A Secreta Viagem"

10 comentários:

Fernanda disse...

Querida Lisa!

Que lindo este poema de David Mourão Ferreira.

Quando há amor, não interessa o destino, o cais onde se vai atracar, ou mesmo se se ancora em algum lugar.
Basta ficar assim, de mãos dadas, mesmo no meio do nada, dum rio, num barco...
Beijinhos

Maria disse...

Amiga, excelente escolha um poema maravilhoso.
Tenha um fim de semana cheio de paz, serenidade e alegria
bjs do tamanho do infinito
Maria

Maria disse...

Belo, belo é este poema do David Mourão-Ferreira.
Muito obrigada por o teres partilhado conosco.
Bom fim-de-semana, Lisa.

Beijinho.

alegria de viver disse...

Olá querida amiga

Mas é uma beleza este poema.
Acho que também estou numa secreta viagem, só que interna, comigo mesmo.

Com muito carinho BJS.

Maria Luisa Adães disse...

Lisa

Parece mentira, mas conheço mal
David Mourão Ferreira, embora o tivesse conhecido pessoalmente,
talvez por isso.
Ler a poesia de um poeta é uma coisa, conhece-lo pessoalmente, causa uma diferença que nem imaginas.

Assim como estive muitas vezes com
Sophia de Melo Breyner Andersen, era eu muito nova e ela já estava muito avançada na idade.

Mas como a conhecia e não gostava dela, também pouco me interessou.

David M. Ferreira o conheci com ele mais novo do que Sofia e
cheguei a estar com ele e a mulher
na Pousada do Castelo de S. Filipe em Setúbal- fumava cachimbo.
Esse era mais novo, como disse.

Como os conheci aos dois, nunca me
interessaram - em especial Sophia.

Então tens passeado muito? E o blogs do sapo ainda existe? Não tenho tido tempo de por lá passar.

Gostei de te encontrar. Ainda pertences ao meu outro tempo.
Tudo mudou, minha amiga, tudo mudou.

Agradeço a tua visita e as tuas palavras.
Talvez em Novembro saia um livro meu, pois no princípio de Dezembro, se Deus quiser, vou para o Brasil.
Quando tiver data marcada mando dizer.

Beijos e obrigada,

Maria Luísa

Sonhadora disse...

Minha querida amiga
Lindo este poema de David Mourão Ferreira.

Quando o amor nos toca não interessa o lugar...apenas a pessoa.

Deixo o meu carinho e um beijinho
Sonhadora

**♥✿-franciete-✿♥** disse...

Oi minha querida lindo este poema, me desculpa o atraso mas isto por este lado tem andado um pouco com falta de energia, tenho de ver se funciono melhor com as renováveis, isto é falta de movimento.
Beijinhos e tenha um lindo domingo.

Ana Paula disse...

Belíssimo poema desse grande escritor.
Fala de amor tem que ser lindo:-)
Adorei!!!!
Jinhos doces e mais uma vez um Domingo muito feliz e uma óptima semana.
Paula

Flor ♥ disse...

Olá, Lisa!

Que lindo poema! Essas secretas viagens sempre renovam nossa vida!

Bjs.

Mona Lisa disse...

Olá Lisa

Gosto imenso da poesia de David Mourão Ferreira.

Fala do amor de uma forma límpida, terna.

Bjs.