sexta-feira, outubro 29, 2010



Nada melhor que um pouco de poesia para descontrair no fim de semana que está perto.Tenho o cuidado que sempre que leio algo que gosto,neste caso poesia partilho com os amigos,hoje não vai fugir a regra.E como a vida deve ser vivida de pequenos gestos,que muitas vezes representam grandes coisas no coração.Este poema adoro,fala do silêncio sendo algo sublime...aqui vai e bom fim semana a todos.

Há o silêncio das estradas
e o silêncio das estrelas
e um canto de ave, tão branco,
tão branco, que se diria
também ser puro silêncio.
Não vem mensagem do vento,
nem ressonâncias longínquas
de passos passando em vão.
Há um porto de águas paradas
e um barco tão solitário,
que se esqueceu de existir.
Há uma lembrança do mundo
mas tão distante e suspensa...

Há uma saudade da vida
porém tão perdida e vaga,
e há a espera, a infinita espera,
a espera quase presença
da mão de puro mistério
que tomará minha mão
e me levará sonhando
para além deste silêncio,
para além desta aflição

Tasso da Silveira

terça-feira, outubro 26, 2010


(foto google)

Baco

Andava por ali o Deus das uvas.
Por trás de cada cepa se ocultava.
Tinha os pés disfarçados em raízes
que prendiam a terra virilmente.
Tinha os olhos nos cachos reflectidos.
e a firmeza das parras acusava
que escondia seu sexo omnipotente.

Sebastião da Gama

quinta-feira, outubro 21, 2010



A Secreta Viagem

No barco sem ninguém, anónimo e vazio,
ficámos nós os dois, parados, de mão dada...
Como podem só dois governar um navio?
Melhor é desistir e não fazermos nada!

Sem um gesto sequer, de súbito esculpidos,
tornamo-nos reais, e de madeira, à proa...
Que figuras de lenda! Olhos vagos, perdidos...
Por entre nossas mãos, o verde mar se escoa...

Aparentes senhores de um barco abandonado,
nós olhamos, sem ver, a longínqua miragem...
Aonde iremos ter? — Com frutos e pecado,
se justifica, enflora, a secreta viagem!

Agora sei que és tu quem me fora indicada.
O resto passa, passa... alheio aos meus sentidos.
— Desfeitos num rochedo ou salvos na enseada,
a eternidade é nossa, em madeira esculpidos!

David Mourão-Ferreira, in "A Secreta Viagem"

quinta-feira, outubro 14, 2010



Muitas são as pessoas que pela nossa vida se juntam,ou pelo simples momento se cruzarem com nós.Parece uma árvore com belos ramos e folhas,quando a primavera nos visita toda ela são rebentos,o Pai a Mãe,os irmãos.A árvore vai crescendo vem os conhecidos,os colegas da escola,mais tarde os do trabalho,até o simples conhecido que no mesmo café partilha o momento de chávena na mão.Tudo isto é um círculo que todos nós pisamos a cada dia.Mas por vezes o destino ou o caminho nos desliga de alguns,a nossa árvore da vida fica mais pobre,cada um parte para lugar diferente e no canto do olhar brota a lágrima da saudade.Com a chegada do Outono,a árvore parece triste e só,as folhas caiem,esperando de volta a primavera ou o verão,para nos cruzarmos com um amigo na praia que partilhamos juntos, e ficamos tão próximos que até lhe contamos um segredo.Assim se passa na árvore da nossa vida,que em cada ano se renova para despertar outros olhares e sentimentos.

Lisa

segunda-feira, outubro 11, 2010



A vida é maravilhosa, mesmo quando dolorida. Eu gostaria que na correria da época atual a gente pudesse se permitir, criar, uma pequena ilha de contemplação, de autocontemplação, de onde se pudesse ver melhor todas as coisas: com mais generosidade, mais otimismo, mais respeito, mais silêncio, mais prazer. Mais senso da própria dignidade, não importando idade, dinheiro, cor, posição, crença. Não importando nada.

Lya Luft

sexta-feira, outubro 08, 2010



Álamo

Era Outono!
As folhas ressequidas
dançavam sem destino
embaladas pelo vento!
Seriam lágrimas de despedida?

Ou seriam antes
cabelos esbranquecidos,
pagando tributo
pela passagem do tempo?!

"retalhos do tempo"
António Manuel da Luz Cabrita

quarta-feira, outubro 06, 2010



Nesta tarde a chuva cai mansa no outono que habita em cada um.O sol se escondeu envergonhado,e medroso.Já começamos a sentir a falta dele estes dias.Mas a chuva também faz parte do circulo das estações,por tal motivo brindamos a todas com alegria no coração.Os pássaros não sairiam das árvores pela manhã os ouço chilrear no abrigo,esperando no seu lar para voltar a voar ao encontro do sol.

Lisa

segunda-feira, outubro 04, 2010


"Foto Google"

É Outubro da Republica muito tempo passou,muito choro pobreza e desventura.Depois de tantos anos olho a minha bandeira e sinto um ligeiro calafrio,continuo a ver o choro,pobreza desilusão.Mesmo com um Abril bem perto e não de cem anos,continuo a ver a mesma coisa.Quem me trás boas noticias do meu pais lindo, de belo mar, e campos verdes abandonados à desgraça.Homens de mãos nos bolsos a contarem os tostões porque as bocas da família pede.Me tragam boas noticias deste pais de marinheiros, poetas, e gente nobre amordaçada pelos senhores da alta roda,que não tem sentimentos e lança no desespero tanta gente.Eu quero sentir a Republica neste dia e Abril sempre mas com sol aberto a todos, e não para alguns.

Lisa

sexta-feira, outubro 01, 2010



Ao abrir a janela pela manhã olho em volta e sorrio para a vida e a tudo que me rodeia.Viver é isso, sentir o cheiro entrar dentro de ti como um bálsamo,e uma leve brisa te bater no rosto.Depois de alguns instantes,morde aquele fruto maduro que te dá prazer. Salta para a vida,bebe na fonte,saboreia a liberdade,te entrega a quem a sorte te destinou.E ama e sente, cada instante,o prazer de tudo que te rodeia pode estar em ti e nunca nos outros.Cada um deve sentir o momento,muito nosso,é verdade que nem nós o sabemos descrever.Tudo o resto passa e rápido e nem damos valor,ao que temos próximo de nós.

Lisa

E neste abrir de janela que abro o coração a amizade aos amigos que por aqui labutam palavras de afecto,uma vezes que eles andam longe da sociedade consumista que nos rodeia,a todo os amigos que por aqui passem.bom Fim-De-Semana