segunda-feira, maio 03, 2010



Não partas já
Não partas já.Fica até onde a noite se dobra
para o lado da cama e o silêncio recorta
as margens do tempo.É aí que os livros
começam devagar e as cores nos cegam
e as mãos fazem de norte na viagem.Parte apenas
quando amanhã se ferir nos espelhos do quarto
em estilhaços de luz;e um feixe de poeiras
rasgar as janelas como uma ave desabrida.
Alguém murmurará então o teu nome,vagamente,
como a gastar os dedos na derradeira página.
E então,sim,parte,para que outra história se
invente mais tarde,quando os pássaros gritarem
à primeira lua e os gatos se deitarem sobre
o muro,de olhos acesos,fingindo que perguntam.

Maria do Rosário Pedreira

8 comentários:

Laura disse...

Também eu queria que não partisse já, mas a vida corre e não espera por ninguém..Abraço querida Lisa, e felicidade, sempre..laura

Maria disse...

Ficar, só mais uma noite...
Sabes que foi aqui na net que conheci esta poeta? E que os livros dela me apaixonam?
Obrigada pela partilha.

Beijinho, Lisa.

Graça Pereira disse...

Não partas já...parte mais tarde quando outra história fôr inventada..
Lindo poema, não conhecia a autora mas vou pesquisar a sua obra.
Beijo amigo e uma semana feliz
Graça

Graça Pereira disse...

...não partas já..parte mais tarde quando outra história tiversido inventada... Não conhecia a autora e gostei muito. Irei pesquisar-
Beijo amigo e boa semana
Graça

mundo azul disse...

__________________________________

...que bonito! A alma da poetisa é quem canta e daí, fica essa beleza de poema! Obrigada, por partilhar conosco, Lisa...


Beijos de luz e o meu especial carinho!!!

_________________________________

Secreta disse...

Um poema algo triste...
Beijito.

alegria de viver disse...

Olá querida amiga
Em primeiro lugar quero lhe dar os PARABÉNS pelo dia da mãe, aqui é só no proximo domingo, não sei o motivo.
Lindo poema, sentimento de amor, a partida sempre é dolorosa.
Com muito carinho BJS.

poetaeusou . . . disse...

*
um belo poema de M. R. P.
,
Este foi o nosso último abraço. E quando,daqui a nada, deixares o chão desta casaencostarei amorosamente os lábios ao teu copo
para sentir o sabor desse beijo que hoje nãodaremos. E então, sim, poderei também eupartir, sabendo que, afinal, o que tive da vida
foi mais, muito mais, do que mereci.
,
in-M.R. Pedreira,
,
um mar de luz, deixo,
,
*