quarta-feira, março 31, 2010



Êxtase

Há sempre aquela melodia que não esquece
Nem a distância de cada um no momento
É de noite que me embriago nos sons do pensamento
Escuto a alma, e deixo-me envolver no êxtase
E nele adormeço a recordar, os sons dos sentidos
Cada um temos um som, que mesmo presente
Eles se encontram e são mais nossos
A cada instante e juntos de mão dada
Ficamos sem saber o porque do pensamento

Lisa 07/02/2010

segunda-feira, março 29, 2010



As ideias devem ser livres de amarras e as raízes do coração.Nunca deixes morrer os sonhos contidos, a tua esperança, por muito pequena que seja, luta pela verdade segue o caminho... nunca te amedrontes, com coisas que não tem importância.
Estende tua mão de carinho,amor,um pouco de ti,teus braços serão o leme de um barco,aquele que levas ao encontro da esperança da fraternidade.Vai ao encontro deste mar que tens no coração, livre de preconceitos mas somente de verdade. A amizade é teu irmão, sê um fiel companheiro, sente quem sofre as injustiças e dramas. Repara que alguns lhe impõe a sua sorte, só tu podes vencer este medo de luta. Tenta ser forte como um rochedo! Bate nele fortemente, como se a tua força seja uma onda,luta pela paz a igualdade e oportunidade; só assim serás pessoa de verdade
Lisa

sexta-feira, março 26, 2010





Dizem que no mês de Março,tanto durmo como passo.Mas é nele o começo das amendoeiras em flor!
Com belas cores vestem a rigor as paisagens do Alto Douro e Algarve.Neste colorir se vestem de verde as hortas e o tojo nos montes,verde da planta é tão forte de seiva e cor,que muitas vezes nem sabemos explicar.
As temperaturas nesta altura podem ser suaves ou amenas,mas também dias de frio e inverno rigoroso.
Quem gosta da natureza aprecia cada pedaço como se fosse o último.Neste sentir a plenos pulmões,vem até nós o cheiro das flores das amendoeiras.Como num breve despertar pela manhã,nos trás o carinho da primavera.É neste caminhar pelos montes,embora o tempo não deixe,ainda vimos os tons de amarelo do tojo bravio,como que a tentar colorir,aquilo que o sol não deixa,as margens dos campos,levam muita água pela erva verde que a custo conseguimos pisar,mas sinto como se fosse único,e cada olhar se perde no espaço.Ao longe uma pastora leva as ovelhas pelos trilhos,a chuva é muita,mas ela como mulher do monte e serrania,leva em seu corpo franzino,uma capa feita de colmo.Nada a impede de ser feliz,tem toda a natureza por companhia,assim se vai fazendo o mês da primavera.

quarta-feira, março 24, 2010



Uma gaivota pousada
No telhado
Convido-a a entrar.Recusa.
Tem receio que a musa
Dos meus versos
Esteja em casa
E desencante o azul encantamento
O mar e o firmamento
Que trás em cada asa

Miguel Torga

segunda-feira, março 22, 2010



A vida não é um jogo onde só quem testa seus limites é que leva o prêmio. Não sejamos vítimas ingênuas desta tal competitividade. Se a meta está alta demais, reduza-a. Se você não está de acordo com as regras, demita-se. Invente seu próprio jogo. Faça o que for necessário para ser feliz. Mas não se esqueça que a felicidade é um sentimento simples, você pode encontrá-la e deixá-la ir embora por não perceber sua simplicidade.

Mário Quintana

sexta-feira, março 19, 2010



Hoje seria o dia de escrever só para ti.Mas eu faço isso muitas vezes,quando olho aquela estrela,que me guia e cintila para mim.Quando a noite eu a olho,sinto o acariciar da tua mão no meu cabelo loiro,o teu colo,e o calor do teu afago,que ainda sinto no meu silêncio! E penso em ti,no teu rosto e sorrio,a pensar como seria hoje.Logo não te vejo,o céu está encoberto,te sentirei sempre a qualquer hora,a olhares para mim...pai.
Lisa

quarta-feira, março 17, 2010



É da torre mais alta do meu pranto
que eu canto este meu sangue este meu povo.
Dessa torre maior em que apenas sou grande
por me cantar de novo.
Cantar como quem despe a ganga da tristeza
e põe a nu a espádua da saudade
chama que nasce e cresce e morre acesa
em plena liberdade.
É da voz do meu povo uma criança
seminua nas docas de Lisboa
que eu ganho a minha voz
caldo verde sem esperança
laranja de humildade
amarga lança
até que a voz me doa.
Mas nunca se dói só quem a cantar magoa
dói-me o Tejo vazio dói-me a miséria
apunhalada na garganta.
Dói-me o sangue vencido a nódoa negra
punhada no meu canto.

Ary dos Santos
foto:
http://pfnews.blogs.sapo.pt

segunda-feira, março 15, 2010



Amar é Raro

Amar é dar, derramar-me num vaso que nada retém e sou um fio de cana por onde circulam ventos e marés. Amar é aspirar as forças generosas que me rodeiam, o sol e os lumes, as fontes ubérrimas que vêm do fundo e do alto, água e ar, e derramá-las no corpo irmão, no cadinho que tudo guarda e transforma para que nada se perca e haja um equilíbrio perfeito entre o mesmo e o outro que tu iluminas. Dar tudo ao outro, dar-lhe tanta verdade quanta ele possa suportar, e mais e mais; obrigar o outro a elevar-se a um grau superior de eminência, fulguração, mas não tanto que o fira ou destrua em overdose que o leve a romper o contrato — o difícil equilíbrio dos amantes! Amar é raro porque poucos somos capazes de respirar as vastas planícies com a metade do seu pulmão; e amar é raro porque poucos aceitam a presença do seu gémeo, a boca insaciável de um irmão que todos os dias o vento esculpe e destrói.

Casimiro de Brito

sexta-feira, março 12, 2010



Fogueira da Alma
O vermelho do sol vem ao meu encontro me leva até aos caminhos trilhados.Nem eu sei muitas vezes como foi,nem as fogueiras me fizeram esquecer quem sou, e o porque
o faço.E voltam as memórias envoltas de trilhos,labaredas, e passadas de esperança sempre presentes.
É nos dias que o luar me visita,eu sinto em volta de mim, remoinhos de vento e folhagem diversa,onde a ligeireza das pernas tem de ser rápidas e precisas. Muitas histórias ficaram por contar,mas não importa só eu sei! Mas continuarei presente, em cada suspiro, em cada olhar em volta, e quando a alma faz este rodopio da vida,sempre direi. Fiz e senti que fiz bem, e quando as pernas não mais subirem ao monte das minhas lembranças e labaredas,contarei junto a lareira,aos netos; esta fogueira da alma que jamais se apagará.

Lisa

quarta-feira, março 10, 2010



Não posso adiar o amor para outro século
não posso
ainda que o grito sufoque na garganta
ainda que o ódio estale e crepite e arda
sob as montanhas cinzentas
e montanhas cinzentas
Não posso adiar este braço
que é uma arma de dois gumes amor e ódio
Não posso adiar
ainda que a noite pese séculos sobre as costas
e a aurora indecisa demore
não posso adiar para outro século a minha vida
nem o meu amor
nem o meu grito de libertação
Não posso adiar o coração.


António Ramos Rosa

segunda-feira, março 08, 2010




Mulher! Mãe, Esposa,Filha.
Do teu ventre foi gerada com amor,de uma pequena semente de dois que se amaram.Cresci como uma folha de fertilidade!A semente do amor,que lutou se transformou.
Foste e fui...gente de corpo inteiro.Como uma rosa criada no teu jardim,feminina,e de muita sensibilidade.Trouxe ao mundo,outros seres que continuaram a mesma germinação.A árvore desta pequena semente brota em mim pela raiz,com folhas de fertilidade,igualdade,humanidade.
Mas sobretudo me ensinaste a ser mulher,mãe esposa,avó!Mas que a força da semente seja a essência da natureza humana.

Lisa 08/03/2010

Neste dia para todas nós...Mulheres,do mundo inteiro as que sofrem a violência o tráfego sobre seu corpo,a mãe negra sem poder ajudar os filhos,as mães sem trabalho,a saudade da que partiu, mas ficará sempre no meu coração

sexta-feira, março 05, 2010

Como no poste anterior falei de algo que todos nós lamentamos no dia a dia.Falta de educação de alguns jovens de hoje,nas escolas,em casa e até nas ruas.Tudo é uma questão de responsabilidade de cada um.Pais,e educadores principalmente.Uma criança com problemas tem sempre algo nela que desconfiamos,pela sua forma de ser,em rendimento escolar,no isolamento e atitudes perante colegas.Ao longo do meu trabalho,assisti a alguns que tentaram o suicido,muitas vezes eu sabia mais que os próprios familiares,e foi sua confidente.Tenho uma coisa comigo,se vir algo que me chame a atenção denuncio,medo nunca! Não devemos pactuar com este tipo de pessoas,que fazem o que querem sobre pessoas indefesas,ser justo acima de tudo,mas sei que muitos nem o fazem por medo e até vergonha,mas se respeita.É tudo uma questão de atitude no momento

quinta-feira, março 04, 2010



As palavras sai caladas perante tamanho de sofrimento que abala as pessoas no dia a dia.Uma criança na sua tenra idade se suicida! O que esta a acontecer é muito sério,se está a criar pequenos monstros da sociedade,e dentro das escolas.Quando a escola é para ensinar e criar cidadãos responsáveis,vejo a criar delinquentes e mal formados.Culpa de quem pergunto...pais, professores,educadores?Não se pode dar uma sacudidela aos meninos que a casa cai abaixo,querem o que não tem,e lá se vai dar.Agora uma criança,não pode ser vitima de violência dentro da própria escola,a responsabilidade tem de ser de alguém,devem ir até ao fim e pedir explicação,para um acto que esta criança cometeu,porque já não aguentava a pressão diária.Devemos estar atentos para pequenos avisos,que por vezes as crianças nos querem transmitir.Como mãe e avó,lamento pelos pais a dor que sofrem,a criança paz a sua alma de anjo,que nem tempo teve para viver.
Lisa

quarta-feira, março 03, 2010



Como as Gaivotas

Esta onda cansada depois do vendaval,
cheira à praia molhada cheira a marisco,a sal.
Traz noticias recentes de centenas de milhas.
Inundou continentes,brutal, desflorou ilhas.
Corais,buzios vazios,conchas,algas em feixes,
destroços de navios e carcaças de peixes.
Tudo à praia aportou:bússola,gávea e leme.
A sereia apitou,agora a onda geme.
Auto-aorora. Acordada,sonho impossíveis rotas:
partir,de madrugada livre como as gaivotas.

Fernanda de Castro

segunda-feira, março 01, 2010



Quero poder fechar meus olhos e imaginar alguém...
E poder ter a absoluta certeza de que esse alguém
também pensa em mim quando fecha os olhos,
que faço falta quando não estou por perto.
Queria ter a certeza de que apesar de minhas
renúncias e loucuras, alguém me valoriza
pelo que sou, não pelo que tenho...
Que me veja como um ser humano completo,
que abusa demais dos bons sentimentos
que a vida proporciona,
que dê valor ao que realmente importa,
que é meu sentimento...e não brinque com ele."

Mario Quintana