sexta-feira, janeiro 22, 2010



Amigo, a que Vieste?

Onde foste ao bater das quatro horas
e, antes, quem eras tu, se eras?
Amigo ou inimigo, posso falar-te agora
sentado à minha frente e com os ombros
vergados ao peso da caneta?
Falo-te sobre a cabeça baixa
e vejo para além de ti, no horizonte,
teus riscos e passadas;
mas não sei onde foste, nem se eras.
Olho-te ao fundo, sob o sol e a chuva,
fazendo gestos largos ou só um leve aceno;
dizes palavras antigas,
de antes das quatro horas,
e nada sei de ti que tu me digas
dessa cabeça surda.
Não te pergunto pela verdade,
que pensas de amanhã ou se já leste Goethe;
sequer se amaste ou amas
misteriosamente
uma mulher, um peixe, uma papoila.
Não quero essa mudez de condolências
a mim, a ti, ou só à terra
que tu e eu pisamos — e comemos.
Pergunto simplesmente se tu eras,
quem eras, e onde foste
depois que se fizeram quatro horas.

Será que não tens olhos? Não tos vejo.
De longe em longe
agitas a cabeça, mas talvez seja engano.
Palavra, não te entendo.
Amigo, a que vieste?

Pedro Tamen
(foto Google)

18 comentários:

Graça Pereira disse...

Amigo, quem és tu, a que vieste?
E esta pergunta feita com imensa ternura é já água fresca a correr para matar a sede a quem vem de longe, de muito longe...
Gostei deste poema que lembra um hino solitário à Amizade.
Um beijo e bom fds
Graça

Nilson Barcelli disse...

Não conheço o poeta, mas gostei imenso deste poema.
Uma bela escolha, querida amiga Elisa.
Bom fim de semana, beijos.

Sonia Schmorantz disse...

Que são também estes amigos invisíveis, que passam por nossa casa todos os dias, e deixam uma energia de carinho?
beijos, ótimo fim de semana

Ana disse...

Também não conheço este poeta, mas adorei esta poesia tão profunda.
Adorei estar aqui no teu cantinho e desculpa esta "desnaturada" mete-se em tudo e depois o tempo não dá para nada. Se te disser que hoje me levantei antes das 7 para ver se colocava em ordem os comentários acreditas? E não consegui, se eventualmente tiver uma folguinha vou ter que voltar à blogosfera. Sabes meteram-me aí num Grupo de fotografia onde tenho que avaliar fotos etc. e perco muito tempo, mas disse que ajudava e pronto, o tempo não chega para tudo.
Desejo-te um maravilhoso fim-de-semana.
Jinhossssssssssssssssssssssss

Carlos Albuquerque disse...

Olá, Elisa.
Amigo, a que Vieste?
Será que algum dia obteremos resposta?
Será que algum dia esse que veio deixará de dizer palavras antigas, como escreve o poeta?
Continuo, como ele:
"Palavra, não te entendo.
Amigo, a que vieste?"
Excelente poema, para reflectirmos.
Beijinhos e bfs

Laura disse...

Amiga, a que vim?
vim deixar-te poesia
orlar teu olhar de alegria
e deixar palavras
que a mente porfia...

obrigada pela amizade querida Lisa...

alegria de viver disse...

Olá querida amiga
Peço desculpas em primeiro lugar, mas não tenho estado muito bem, por esse motivo não venho com frequência.
Este poema é muito significativo, amigo sempre é bom.
Com muito carinho BJS.

José disse...

Olá Lisa,

Vim deixar um verso meu
no teu estou-me inspirando
para saberes que sou eu
que por aqui estou passando

E essas palavras antigas
doutro tempo doutra era
vejo aqui pessoas amigas
aqui da blogosfera

resto de bom fim de semana
beijinho,
José.

EDUARDO POISL disse...

Que a minha solidão me sirva de companhia,
que eu tenha coragem de me enfrentar,
que eu saiba ficar com o nada
e mesmo assim me sentir, como se
estivesse plena de tudo".

Clarice Lispector


Desejo um lindo domingo para você.
Abraços com todo meu carinho

Agulheta disse...

Amiga Graça. Penso que cada amigo vale uma lembrança,e a que vem, a ternura com que nos brilha é água fresca a cada instante,para matar a sede como dizes,das palavras.
Beijinho Lisa

Agulheta disse...

Nilson. Obrigado amigo (a que vieste) para deixar amizade,e como tal gostei.
Beijinho Lisa

Agulheta disse...

Sonia.Sim os amigos um pouco (invisíveis) que por aqui passam,lhe criamos afecto e já não passamos sem eles.
Beijinho Lisa

Agulheta disse...

Amiga Ana.Eu sei que agora te sentes mais ocupada,do mesmo mal sinto o mesmo,e agora perco mais tempo por aqui,sabes podem criar muitos espaços virtuais,mas este sempre me prende,por diversas razões.
Beijinho Lisa

Agulheta disse...

Carlos. Amigos (a que veêm) sempre o farão por diversas coisas,e gostamos de alguns tanto que parece que foram companheiros de escola.
Beijinho Lisa

Agulheta disse...

Laura.Eu sei a (que vieste) pelo teu carinho e coração doce como sempre,e pela poesia que dedilhas nos teus dedos quando escreves.
Beijinho Lisa

Agulheta disse...

Alegria de viver. Nada tens de pedir desculpa,primeiro a saúde.Espero que te sintas melhor a cada instante.
Beijinho Lisa

Agulheta disse...

Amigo José. Sei a que (vieste) escrever poesia em verso,para estes amigos que gostam de te ler.
Beijinho Lisa

Agulheta disse...

Eduardo.Agradeço o pequeno poema de Clarice Lispector,sempre de palavras serenas e lindas.
Beijinho Lisa