sábado, novembro 14, 2009



Dia

De que céu caído,
oh insólito,
imóvel solitário na onda do tempo?
És a duração,
o tempo que amadurece
num instante enorme, diáfano:
flecha no ar,
branco embelezado
e espaço já sem memória de flecha.
Dia feito de tempo e de vazio:
desabitas-me, apagas
meu nome e o que sou,
enchendo-me de ti: luz, nada.

E flutuo, já sem mim, pura existência.

Octavio Paz, in "Liberdade sob Palavra"

24 comentários:

Sonia Schmorantz disse...

Conheci alguns poemas de Octávio Paz, mas deste não lembrava, é muito bonito!
beijos, ótimo domingo

Chris disse...

Não conhecia este poema, mas gostei desse flutuar na existência...
Um beijo
Chris

Ana disse...

Olá querida Lisa bom diaaaaa!!!

E por falares em DIA, hoje é dia de eu ir "matar" saudades com os meus Príncipes até ao Norte, mas antes tinha que vir aqui desejar-te um Domingo muito feliz!
Adorei este belo poema que não conhecia, obrigada pela partilha amiguinha linda.
Um grande abraço bem apertadinho,
Ana Paula

Maria Emília disse...

Lisa,este belo poema trouxe-me a ideia uma frase que dizemos tantas vezes sem verdadeiramente alcançarmos todo o seu sentido:
"O tempo passa a correr". Há que aproveitar cada instante em toda a sua plenitude.
Um grande beijinho,
Maria Emília

Agulheta disse...

Sónia!
tenho um livro de poesia deste poeta,e gosto muito dele.
Beijinhos Lisa

Agulheta disse...

Chris.
Obrigada pela visita e palavras.
Beijinho Lisa

Agulheta disse...

Ana.
para matar as saudades se mata em qualquer hora,como esta visita amiga e que muito gosto.Retribuo o xi apertadinho.
beijinho Lisa

Agulheta disse...

maria Emília.
Sim o tempo passa a correr,mas quando se tem bons amigos por aqui é muito bom,para que o mesmo cresca em amizade.
Beijinho Lisa

Flor ♥ disse...

Oi, Lisa!

Um poema tão etéreo que nos faz flutuar! Bela escolha, querida!

Boa semana!

Bjs.

Ana Martins disse...

Este poema é fantástico amiga Lisa!

Beijinhos,
Ana Martins

Manuela disse...

Que poema diferente.
Gostei de ler.
Beijinhos amiga.
Espero que tudo esteja bem por aí, o tempo está muito húm9do.
Mas estamos na altura dele.
Desejo uma feliz semana com muito amor.
Beijinhos
Manuela

Céci disse...

Ola Amiga!

Não conhecia este poema, mas é muito bonito!

Boa semana

Bjinhos

Céci

Graça Pereira disse...

Lindo este poema que não conhecia..Excelente a tua escolha que só lembra a tua delicadeza...Somos de facto de outro tempo. Será? Eu julgo que vivemos este tempo tambem, que é nosso...mas há ..um outro diferente, lá para trás...que tivemos a felicidade de o viver, digamos...mais romanticamente!!
Um beijo Graça

Fernanda disse...

Querida Lisa,

Não conhecia de todo este belo poema, nem o autor, mas gostei muito.

A vida é mesmo assim ... voa, flutua e quando damos conta já foi.
Sejamos pelo menos felizes.

Beijinhos,
Fernanda Ferreira (Ná)

Laura disse...

Confuso para entender, pelo menos para mim, mas, todos os poemas são escritos sob algo em que pensamos, vivemos e sendo assim; lindo poema..Beijinhos da laura..

LOURO disse...

Olá amiga Lisa!

Lindo poema... excelente escolha...
Gostei!!!
Tem um selinho para si no meu blog,
2 anos existência...

Beijinhos de carinho e amizade,
Lourenço

Agulheta disse...

Olá Flor! As palavras me tem que dizer algo,e tenho tantas que gosto.
Beijinho

Agulheta disse...

Ana! Obrigada pelas palavras e sensibilidade para com as mesmas.
Beijinho Lisa

Agulheta disse...

Manuela! Diferente sim,e com palavras belas penso eu.
Beijinho Lisa

Agulheta disse...

Céci! Agradeço o teu carinho e sensibilidade perante o poema.
Beijinho Lisa

Agulheta disse...

Querida Ná. Sim a vida flutua como dizes,mas perante ela temos sempre de a tentar agarrar com força.
Beijinhos Lisa

Agulheta disse...

Querida Laura. A poesia pode ser confusa para n´so e de rara beleza para quem sonha e escreve.
beijinhos Lisa

Meg disse...

Lisa,
Escolheste um poema muito bonito.
E de liberdade e palavra falando, lembrei-me de...
Palavras? Sim. De ar
e perdidas no ar.
Deixa que eu me perca entre palavras,
deixa que eu seja o ar entre esses lábios,
um sopro erramundo sem contornos,
breve aroma que no ar se desvanece.
Também a luz em si mesma se perde
.

Beijinho para ti

Agulheta disse...

Meg!
Palavras há que nem explicação tem para elas,obrigada pelo comentário em pequena poesia.
Beijinho Lisa