segunda-feira, novembro 30, 2009



(foto do Google)

Antes de amar-te, amor, nada era meu
Vacilei pelas ruas e as coisas:
Nada contava nem tinha nome:
O mundo era do ar que esperava.
E conheci salões cinzentos,
Túneis habitados pela lua,
Hangares cruéis que se despediam,
perguntas que insistiam na areia.
Tudo estava vazio, morto e mudo,
caído, abandonado e decaído,
Tudo era inalienavelmente alheio,
Tudo era dos outros e de ninguém,
Até que tua beleza e tua pobreza
De dádivas encheram o outono.

Pablo Neruda

domingo, novembro 29, 2009




Neste dia posso ser o sol
que ilumina os teus passos
os sentimentos e abraços
os sonhos e saudades,sim
da juventude que vai fugindo
mas ainda sinto o pulsar
das horas,e dos minutos
que moram no meu coração
o amor que ilumina a vida,
os olhos cintilantes quando
se cruzam nos teus,os desejos
Mas sou a mulher,que sofre
e luta pela injustiça e pela
falta de solidariedade dos outros.
Mas neste dia quero ser eu,
aquela que recebe um beijo
um carinho de quem amo,o abraço
dos filhos,dos netos
Mas neste dia quero,ser eu de alma
e coração,que recebe uma rosa
pela data e rodeada por quem gosta de mim.

Lisa 29/11/2009

Foto:luaimaginadapoemas

quinta-feira, novembro 26, 2009


O Mar é Longe, mas Somos Nós o Vento

O mar é longe, mas somos nós o vento;
e a lembrança que tira, até ser ele,
é doutro e mesmo, é ar da tua boca
onde o silêncio pasce e a noite aceita.
Donde estás, que névoa me perturba
mais que não ver os olhos da manhã
com que tu mesma a vês e te convém?
Cabelos, dedos, sal e a longa pele,
onde se escondem a tua vida os dá;
e é com mãos solenes, fugitivas,
que te recolho viva e me concedo
a hora em que as ondas se confundem
e nada é necessário ao pé do mar.

Pedro Tamen, in "Daniel na Cova dos Leões"
Foto:
entremares.blogs.sapo.

quarta-feira, novembro 25, 2009



Noite companheira de palavras
Das horas desertas, e profetas
De vidas sem rumo e sem destino
Prostitutas,o vagabundo,o frio

Noite das estrelas, da luz
Que vigias o sono e conduz
Aos sonhos de poetas, amantes
Que em tuas noites, vive distantes.

Oh noite do desespero, desalento
De quem não tem lar, um carinho
Noite marginal, sem sustento
És a noite luar, e contentamento

Á noite se cruzam amores
Se dão abraços, de amantes
Caminha-se em paços errantes
Unem-se corpos de suor, paixão
De clara saudade distante: NOITE



Noite 26/09/2007 Lisa

terça-feira, novembro 24, 2009


As mãos pressentem...

As mãos pressentem a leveza rubra do lume
repetem gestos semelhantes a corolas de flores
voos de pássaro ferido no marulho da alba
ou ficam assim azuis
queimadas pela secular idade desta luz
encalhada como um barco nos confins do olhar

ergues de novo as cansadas e sábias mãos
tocas o vazio de muitos dias sem desejo e
o amargor húmido das noites e tanta ignorância
tanto ouro sonhado sobre a pele tanta treva
quase nada

Al Berto
foto( daqui:http://raquelordonesemgotas.blogspot.com

domingo, novembro 22, 2009



Queria soltar as palavras nesta dia,mas
a chuva impregnou meus pensamentos com pingos
soltos,e levara com elas as pombas,que me visitam.
Os sonhos fugiram,pela janela os tentei agarrar no pensamento,
só meu,mas o voo foi alto demais para mim,estiquei
meu corpo franzino em bicos de pés
mas elas lá foram,neste dia e final de tarde

sexta-feira, novembro 20, 2009



Os anjos que conheço são de erva e de silêncio
nalgum jardim de tarde. Mas quais os mais ardentes?
Feitos de mar e sol, elevam-se nas ondas,
entre as mulheres de coxas tão fortes como touros
O meu luto é de mesas e de bandeiras sem paz
É estar sem corpo à espera, inconsolada boca,
o fogo ateia o peito, a cabeça perde a fronte,
o vazio rodopia, é o celeste inferno.
Desço ainda um degrau com o anjo infernal,
um turbilhão de ervas, um redemoinho de sangue
Quem me vale agora se perdi o meu cavalo?

António Ramos Rosa
foto:glimbo

quarta-feira, novembro 18, 2009



Canção de alta noite

Alta noite, lua quieta,
muros frios, praia rasa.
Andar, andar, que um poeta
não necessita de casa.

Acaba-se a última porta.
O resto é o chão do abandono.
Um poeta, na noite morta,
não necessita de sono.

Andar...Perder o seu passo
na noite, também perdida.
Um poeta, à mercê do espaço,
nem necessita de vida.

Andar... - enquanto consente
Deus que seja a noite andada.
Porque o poeta, indiferente,
anda por andar - somente.
Não necessita de nada.


Cecília Meireles

terça-feira, novembro 17, 2009




Como passou o tempo,foi tão depressa...a galope.
que só de pensar fica pressa minha voz.
Agora resta a madruga,a lua as estrelas!
penso que naquele tempo tudo era melodia
até acordar pela manhã e sentir o dia.
Hoje a cada instante esperamos sempre pelo amanhã
mesmo que não seja o mesmo,mas esperamos...é do tempo.
Lisa

foto http://oamoreeterno.blogspot.com

sábado, novembro 14, 2009



Dia

De que céu caído,
oh insólito,
imóvel solitário na onda do tempo?
És a duração,
o tempo que amadurece
num instante enorme, diáfano:
flecha no ar,
branco embelezado
e espaço já sem memória de flecha.
Dia feito de tempo e de vazio:
desabitas-me, apagas
meu nome e o que sou,
enchendo-me de ti: luz, nada.

E flutuo, já sem mim, pura existência.

Octavio Paz, in "Liberdade sob Palavra"

sexta-feira, novembro 13, 2009


(foto google)

Deixei-me levar pelo som do vento
que batia no rosto. Como uma folha perdida,
ao longo do caminho vagueei em cima de folhas de várias cores,
como fossem labaredas da minha mente,e de passo insatisfeito.
Continuo pelas ervas pisadas,e onde um dia um par de botas
as marcaram como uma pedra, e como dói o sentido lamento.

Lisa 13/11/2009

quarta-feira, novembro 11, 2009



Acende o lume e fita os olhos no crepitar da lenha
despeja nela as castanhas,e sente o cheiro entrar
nas narinas e volta ao tempo das lembranças,
quando eras criança,fecha os olhos. Em volta de ti
estão os colegas da escola,te esfregam a cara
de cinza e recordações,do tempo verdadeiro
e de S. Martinho com toda a simplicidade,então
pega num molho de lenha,e volta a assar as castanhas
das tuas recordações.

Lisa,11/11/2009

terça-feira, novembro 10, 2009



"Muitas vezes as pessoas tentam viver a vida às avessas: eles procuram ter mais coisas ou mais dinheiro, para poderem fazer o que querem, de modo que possam ser felizes. A coisa deve funcionar ao contrário: você primeiramente precisa ser quem você realmente é, para então fazer o que precisa ser feito, a fim de ter o que você deseja".

Shakti Gawain

segunda-feira, novembro 09, 2009



Ouve amor! Hoje é nosso dia, naquele de passo apressado pela nossa linda idade,o fizemos em conjunto.As minhas mãos tremiam,nem conseguia segurar as flores que nas mesmas tinha.
O meu coração parou no instante,quando alguém perguntou se era de espontânea vontade? Sim eu disse, mas a vontade de correr para os teus braços como o fiz,ao longo das horas e dos dias que fomos caminhando.Mais um ano passou a teu lado, vamos caminhando e eu segurando no meu ramo,embora hoje com segurança e não da pouca idade daquele dia,e quando as rugas das mãos forem muitas,ainda irei segurar nas mesmas flores como no primeiro dia,mas não de mão tremulas.
Lisa

domingo, novembro 08, 2009



O melhor amor é aquele que acorda a alma
e nos faz querer mais,
que coloca fogo em nossos corações
e traz paz as nossas vidas,
foi isso que você fez comigo
e era isso que eu queria ter feito com você para sempre...

(Diário de uma paixão)
Nicholas Sparks

sexta-feira, novembro 06, 2009


(foto google)

De quando em quando, e tendo um pouquinho de tempo abro o meu baú das recordações. Hoje fazendo algumas arrumações, pelo tempo que ficou mais frio, vamos tirar a roupa que já deixa a saudade! E não é que na velha arca encontrei tanta coisa? Em todas elas tinha uma palavra Amor, umas pecinhas pequeninas de tanto encanto, com lindos bordados e rendinhas, e até a velha fraldinha como era de norma. Hoje como eles cresceram, já não as usam mas estão lá guardadas com o tal amor. A bata da escola, com o nome bordado pela mãe, lá está no meu baú! Os sapatos dos primeiros paços, o lacinho da blusa do colégio, a camisola da ginástica, e até duas camisolas, que falam num logótipo de Abril, também quiseram ter. Esta a razão do meu baú sem falar em tantas outras coisas que guardei, mas darei seguimento, porque hoje só lembrei, e abri as duas páginas da razão da vida de ser mãe…os filhos.
Lisa

quinta-feira, novembro 05, 2009



(foto google)

Olá meus amigos! Como é bom escrever o que se sente e sentir que outros pensam da mesma forma.Lhe posso chamar de carolice ou aquela vontade de escrever o que o coração sente,talvez seja isso,não sou um poeta,longe disso,mas o coração está lá nas linhas das palavras.E como gosto de dar o nome das coisas,desde criança que os valores me foram ensinados a respeitar e dignificar os meus e os amigos,como tal assim continua sempre.Depois de eu ter a vontade de servir uma causa,me alistei nos Bombeiros como Voluntária,muito aprendi como ser humano,ao ver as tristezas dos outros,e solidão de alguns, e quando encontrava os velhinhos de que poucos gostam,lhes dava sempre uma palavra amiga e até cantava para eles,se sentiam felizes e melhor por tão pouco.Por esta aprendizagem estou grata,a todos que comigo trabalharam e foram muitos,daqui e de fora,os amigos são muitos e todos me conhecem e sabem como é,todo este altruísmo e força de vontade.
Por isso a todos que vieram comentar,agradeço a visitas e as palavras,pelo texto anterior que escrevi com algum sentimento,e desilusão por outros,obrigados.
Lisa

quarta-feira, novembro 04, 2009



Hoje me apetece falar,se calhar só por falar. Tanta coisa temos para dizer algumas vezes. E como já devem ter percebido este blog,gosta de amizade, solidariedade e poesia. Sei que nem sempre se gosta de comentar algumas coisas,eu compreendo,mas quando se vai a um amigo feliz e despreocupado assim é. Não preciso dizer que isto está mal,aquilo não devia ser feito,para isso temos os jornais,mas se somos pessoas por inteiro devemos ter capacidade de fazer o que gostamos. Como gosto do que faço assim é.Cabeça arejada e limpa,sem maldade seja do que for,quem vier será bem vindo,quem não o fizer que seja feliz.Muitos amigos aqui criei e gosto de visitar,se calhar não quanto eu gostaria,mas a vida não dá para mais.Os meus ideais estão aqui,amiga do seu amigo,sou feliz felizmente e tenho uma família linda,coisas importantes para me sentir bem,aos amigos que gosto neste lugar desejo o mesmo.

Lisa

segunda-feira, novembro 02, 2009



Mulher que percorre o caminho com passos da madrugada.
Vazia, fria e gelada,com o coração faminto,só tens as pedras da calçada,e estrelas por companhia.
Mendigos alguns; e seres humanos de vida fácil,passos lentos. Ela olha o vazio,sem rumo!Sem ninguém, á espera para lhe dar um carinho,mas fica o olhar da solidão, da calçada.
Da vida triste e amordaçada,vagueando ao acaso,sem leme esperando pelo abraço aconchegado, do destino que um dia a deixou só.

Lisa 2/11/2009

domingo, novembro 01, 2009



Decorria o dia em silêncio nos meus olhos.
Tudo era frio e sereno,a saudade aperta
e uma simples lágrima rola na face,
daquela voz que deixei de ouvir,as palavras
que ficaram no peito,hoje nada mais sei dizer,
senão o silêncio do olhar e uma flor para vós!

Lisa