terça-feira, julho 07, 2009

Quanto, Quanto me Queres?



Quanto, quanto me queres? - perguntaste
Olhando para mim mas distraída;
E quando nos meus olhos te encontraste,
Eu vi nos teus a luz da minha vida.

Nas tuas mãos, as minhas, apertaste.
Olhando para mim como vencida,
«...quanto, quanto...» - de novo murmuraste
E a tua boca deu-se-me rendida!

Os nossos beijos longos e ansiosos,
Trocavam-se fermentes! - Ah! ninguém
Sabe beijar melhor que os amorosos!

Quanto te quero?! - Eu posso lá dizer!...
- Um grande amor só se avalia bem
Depois de se perder.

António Botto

12 comentários:

Laura disse...

Ai Jasus, aquilo era para mim, só falta um marmanjo que beije bem e mai'lo resto, xiça, penico chapéu de coco, mas que belas cantorias, nada como beijar estando apaixonado, e, já mal lembro o sabor...ainda saem versos sobre isso, ehhhh..
Lindos versos, lindo o homem apaixonado que os escreveu..Beijinhos meus. laura.

Maria Emília disse...

António Botto, escritor e contista muito avançado para o seu tempo, foi tão contestado quanto amado pelos outros escritores e críticos da sua geração. Deixou-nos obra importante no campo da poesia amorosa, entre outras como é exemplo este belo poema que aqui nos trouxe.
Um grande beijinho,
Maria Emília

Carminda Pinho disse...

Belo poema de amor.

Beijos, Lisa

Pico minha ilha disse...

Como o autor tem razão.Só quando perdemos as coisas damos o devido valor.Por aqui, assim, assim, com as pernas e artelhos levedos e a reter os líquidos.Trabalho também não falta.As melhoras.Beijinhos com amizade
ps dentro do blog só dá para entrar fazendo alteração no link.Já o fiz em alguns que aqui tinha que mudaram o link.

O Profeta disse...

Mas os golfinhos continuam felizes
A cavalgar ondas de madrepérola
A Lua sorri tristemente e pensa
Haverá alguém mais perverso do que ela?
Haverá?! Há sempre uma deusa perdida
Nos labirintos da contradição
Há sempre alguém que usa a palavra amor
Soprando doce veneno ao coração

Boa semana


Doce beijo

Eduardo Aleixo disse...

Belo poema de amor de um grande poeta. Obrigao pela partilha, amiga. Um abraço.

PS: afinal que peixes se pescam na barragem?

Maria disse...

E o poeta estava cheio de razão quando escreveu este soneto.
Só quando já não o temos sabemos do tamanho que era...

Beijinho, Lisa

Chris disse...

Belissimo soneto de A.Botto, vale a pena ler e reler...
bjs
Chris

Mar disse...

Lisa,

Que bom que é passar por aqui. Desconhecia o poema, e adorei!!

beijinhos a caminho do Minho. ;)

Estrela d'Alva disse...

Deixo apenas um beijinho...

Estrela d'Alva

Laura disse...

Ahhh, voltando ao mesmo, como andei pla vida de candeia apagada, nunca vi nos olhos deles, a pergunta do quanto me queres, é que às escuras o amor não brilha, nem dá luz...Beijinhos.

Agulheta disse...

O meu bem haja para estes amigos.
Laura
maria Emilia
carminda
Pico minha Ilha
O Profeta
Eduardo Aleixo
Maria
Chris
Mar
Estrela D´Alva.

Beijinho