segunda-feira, julho 13, 2009

Desce em Folhedos Tenros a Colina



Desce em folhedos tenros a colina:
Em glaucos, frouxos tons adormecidos,
Que saram, frescos, meus olhos ardidos,
Nos quais a chama do furor declina...
Oh vem, de branco, do imo da folhagem!
Os ramos, leve, a tua mão aparte.
Oh vem! Meus olhos querem desposar-te,
Refletir virgem a serena imagem.
De silva doida uma haste esquiva.
Quão delicada te osculou num dedo
Com um aljôfar cor de rosa viva!...
Ligeira a saia... Doce brisa impele-a...
Oh vem! De branco! Do imo do arvoredo!
Alma de silfo, carne de camélia...

Camilo Pessanha

13 comentários:

elvira carvalho disse...

Camilo Pessanha eu conheço, mas não é dos meus favoritos.
Não sei porquê mas os seus poemas, salvo raras excessões nada me dizem.
Peço desculpa.
Um abraço e uma boa semana

Agulheta disse...

Olá Elvira. Claroque cada um tem direito a sua opinião ou não é,de nada tem que pedir desculpa.
Abraço e boa semana

Estrela d'Alva disse...

Passei apenas para deixar um beijinho e agradeçer o teu comentário no meu blogue =)

Bjs,
Estrela d'Alva

M@ disse...

Olá amiga Elisa, vim desejar uma semana feliz.
E agradecer sua visita.
Beijinhos Manuela

Visite meu site de mensagens para blogs
http://changessimply.blogspot.com/

Menina do Rio disse...

É um pelo poema e não o conhecia,

Passo prate desejar uma semana maravilhos.

Beijinhos de amizade

Céci disse...

Olá Amiguinha,

Não conhecia este poema, mas gostei! vou ver mais tentar saber mais dobre ele.

Bjinho

Céci

Agulheta disse...

Estrela D'Alva. Beijinho entregue e retribuido com amizade.
Lisa

Agulheta disse...

Manuela. Obrigada pelas palavras e desejo.
Lisa

Agulheta disse...

Menina do Rio.
É sempre bom partilhar,seja em poesia ou amizade.
Beijinho
Lisa

Agulheta disse...

Olá Céci! Ainda bem que gostas-te,e gostei de dra a conhecer o poeta,fazes bem em procurar,mais sobre o mesmo.
Beijinho Lisa

Céu Vieira disse...

Olá querida Lisa, adorei o poema, mas não conheço o poeta...
Obrigada pela sua visita e comentário ao meu espaço.
Bem... eu gosto mais de campo... serras... onde haja paz e sossego, mas também não desgosto do mar, da praia, de preferência quando não está muita gente.
Beijinhos amiga
Tenha um resto de dia abençoado...
ou seja, uma vida abençoada!...

Ana disse...

Lembro-me quando estudava de ler na aula de literatura alguns poemas dele, mas não conhecia este adicionaste e que acho muito bonito.
Vou deixar este dele também:

Vida

Choveu! E logo da terra humosa
Irrompe o campo das liliáceas.
Foi bem fecunda, a estação pluviosa!
Que vigor no campo das liliáceas!

Calquem. Recalquem, não o afogam.
Deixem. Não calquem. Que tudo invadam.
Não as extinguem. Porque as degradam?
Para que as calcam? Não as afogam.

Olhem o fogo que anda na serra.
É a queimada... Que lumaréu!
Podem calcá-lo, deitar-lhe terra,
Que não apagam o lumaréu.

Deixem! Não calquem! Deixem arder.
Se aqui o pisam, rebenta além.
- E se arde tudo? - Isso que tem?
Deitam-lhe fogo, é para arder...

Camilo Pessanha

Se calhar já o li aqui seria?:-)

Acho que foi uma boa escoçha que fizeste:-)

Jinhossssssssss

Ana disse...

Escolha, estou meia pitosga também:-)
Jinhosssss