quarta-feira, junho 17, 2009

A Renúncia ao Poder



O único factor material indispensável para a geração do poder é a convivência entre os homens. Estes só retêm poder quando vivem tão próximos uns dos outros que as potencialidades da acção estão sempre presentes; e, portanto, a fundação de cidades que, como as cidades-estado, se converteram em paradigmas para toda a organização política ocidental, foi na verdade a condição prévia material mais importante do poder.
O que mantém unidas as pessoas depois de ter passado o momento fugaz da acção (aquilo que hoje chamamos «organização») e o que elas, por sua vez, mantêm vivo ao permanecerem unidas é o poder. Todo aquele que, por algum motivo, se isola e não participa dessa convivência renuncia ao poder e torna-se impotente, por maior que seja a sua força e por mais válidas que sejam as suas razões.

Hannah Arendt, in 'A Condição Humana'

10 comentários:

Maria disse...

No dia em que o povo tomar consciência do poder que tem...
Excelente post de reflexão, nesta altura de mais dois actos eleitorais.

Beijinho, Lisa

Ana Martins disse...

Se o povo Português permanecesse unido, teríamos sim mais poder!

Excelente escolha este post.

Beijinhos,
Ana Martins

Ana disse...

Este texto é fantástico!!!
Vamos ter esperança que os "nossos meninos" tenham uma cabecinha melhor de que alguns desta época e lutem pela união, porque a união faz a força.
Adorei!!!
Beijinhos muito grandes,
Ana Paula

Laura disse...

Bem, atã as cantorias do povo Unido jamais será vencido, na resultaram, foi so a cantar!? tou a brincar, mana, mas, como sabemos, os homens se fossem unidos, todos sairiamos a ganhar..beijinhos.

Pico minha ilha disse...

A unir esforços acho que chegamos lá.Beijinho amiga com tudo de bom.
ps: bom tempo por aí?
Aqui já apetece ir a banhos.

Maria Emília disse...

Amiga, vim só para lhe dizer que passei por aqui. O seu texto parece-me bastante actual mas não encontro palavras para o c omentar.
Um beijinho,
Maria Emília

Liar disse...

Olá Lisa

Gostei muito do texto. Sempre ouvi dizer que a união fazia a força, e essa é uma grande verdade.

Bjinho e boa noite

Céci

Fernando Campanella disse...

Boa noite, Lisa, fiquei conhecendo teu blogger através do blogger de uma amiga brasileira em comum, a Flor. Vi que gostaste de um poema me postado lá, mas o mesmo foi retrabalhado, ampliado, e, acredito, ficou mais bonito. Então eu o envio para ti. Envio-te, também, o link de meu blogger, para uma visita. Gostei muito dos poemetos dedicados a Santo Antônio de Lisboa, ou de Pádua, na Itália. Grande abraço.

LUAS BRANCAS

O medo de te perder
é o medo de me encontrar
- e trevo silente
ao sem-eira do vento
ao remoinho das brancas luas
retornar -

síndrome das crateras vagas
das horas nuas.

( Ai do estéril ventre
de toda antiga ausência
da sombra das palavras tuas.)

Fernando Campanella

Em meu blogger você poderá encontrar poemas, crônicas e fotos de minha autoria.

http://www.fernandocampanella.blogspot.com/

Obrigado, e muitas alegrias para ti.

Ana S. disse...

Oi amiga.
Como se costuma dizer: a união faz a força!
Beijinhos

Dulce disse...

Lisa

Há um mimo à sua espera lá no "Em prosa e verso". Quando puder, por favor, dê uma passadinha por lá para retirá-lo.

beijinhos
Dulce