sexta-feira, maio 15, 2009

A Profundidade do Ser



E de vez em quando descer à gravidade de mim, à profundidade do meu ser. E verificar então que tudo se transfigura. Que é que significa este garatujar quase gratuito, este riso superficial, todo este modo de ser menor? A melancolia profunda, tão de dentro que ela se iguala à alegria sem medida. Espaço rarefeito de nós, é o lugar da grandeza do homem, do que é nele fundamental, o lugar do aparecimento de Deus. Mas Deus não me aparece - aparece apenas a inundação que me vem da infinita beatitude, da grandeza e do assombro. Nós vivemos habitualmente à superfície de nós, ligados ao que é da vida imediata, enredados nas mil futilidades com que se nos enchem os dias. Mas de vez em quando, o abismo da natureza, um livro ou uma música que dos abismos vem, abre-nos aos pés um precipício hiante e tudo se dilui num sentir que está antes e abaixo e mais longe que esse tudo. Há uma harmonia que em nós espera por um som, um acorde, uma palavra, para imediatamente se organizar e envolver-nos. E aí somos verdade para a infinidade dos séculos.

Vergílio Ferreira

12 comentários:

mundo azul disse...

______________________________


...sim! Recolher-se na profundidade de si mesmo, fugindo um pouco do aspecto ilusório que tanto nos envolve...


Um texto bastante reflexivo, minha amiga...Gostei de mais!


Beijos de luz e o meu carinho...

_________________________________

Agulheta disse...

Mundo Azul.Por vezes precisamos de fazer reflexão! sobre tudo que nos rodeia.
Beijinho bfs Lisa

Henrique ANTUNES FERREIRA disse...

Minininininha Agulheta

Ideia linda essa de trazeres aqui para o teu blogue um texto de um Homem que escreveu «... da minha língua vê-se o mar». Tive o prazer e a honra de o ter conhecido pessoalmente e ter tido cinco longas conversas com ele. Isto por 1981 a 1982.

Anos mais tarde, mais precisamente em 1992 voltei a encontra-lo para lhe dar apertado abraço: acabara de lhe ser atribuído o Prémio Camões. Justíssimo.

Vejo também outro conhecido e, desta feita, Amigo: o Mia. Basta. Há muito mais para ver e sentir. Mas, chega. Olha Agulheta,éstou feliz por te encontrar e já sou teu seguidor.

Espero por ti na Minha Travessa. Amor com Amor se paga. E às vezes até pega - e não é gripe A. Lá, podes conhecer-me, sem te assustares... hahahahaha

Qjs = queijinhos = beijinhos

FERNANDA & POEMAS disse...

OLÁ QUERIDA LISA, MARAVILHOSO TEXTO... BOM FIM DE SEMANA... ABRAÇOS DE CARINHO E TERNURA,
FERNANDINHA

Flor ♥ disse...

Lisa,
Este texto convida mesmo a reflexão, especialmente quando nos lembra a presença de Deus em nós, que por vezes se manifesta na simplicidade de uma visão que nos emociona, uma amizade e um carinho que nos toca...

Obrigada por publicar tão belo texto!

Beijinhos de além mar prá ti!

Carminda Pinho disse...

Boa escolha esta, Lisa.
Um convite à reflexão pelas palavras de Virgílio Ferreira.
É tempo de o fazer.

Beijinhos

UMA PAGINA PARA DOIS disse...

Pensamos demasiadamente
Sentimos muito pouco
Necessitamos mais de humildade
Que de máquinas.
Mais de bondade e ternura
Que de inteligência.
Sem isso,
A vida se tornará violenta e
Tudo se perderá.
(Charles Chaplin)

Hoje passando para desejar um final de semana com muito amor e carinho.
Abraços do amigo Eduardo Poisl.

Ana disse...

Maravilhoso, tanto o belo texto de Virgilio Ferreira, como a tua imagem tão Primaveral.
É bom fazermos uma reflexão sobre tudo o que nos cerca neste Mundo.
Desejo-te minha querida Lisa um lindo fim-de-semana.
Sente o meu abraço apertadinho e um muito obrigada pelas tuas palavras que me deixam sempre muito feliz,
Ana Paula

Princesa disse...

Lindo mesmo amiga
obrigada pelo apoio eu estou um pouquinho melhor
Beijocas

Papoila disse...

Querida Amiga:
Adorei o texto de Virgilio Ferreira... "Espaço rarefeito de nós, é o lugar da grandeza do homem, do que é nele fundamental" Sim um bom tema de reflexão neste fim de semana de Maio e lembrar Novembro... Linda a foto.
Beijos

Meg disse...

Lisa

Nós vivemos habitualmente à superfície de nós, ligados ao que é da vida imediata, enredados nas mil futilidades com que se nos enchem os dias...Como tudo isto é verdade, Lisa.

Tenho uma grande parte da obra do Virgílio Ferreira, um escritor de quem gostava - e gosto - muito.

Um bom fim de semana para ti.

Um beijo

Liar disse...

Lindo este texto amiga. E muito bom para pensar não só em nós mas tb nos que nos rodeia.

Adorei

Bjinho

Céci