quinta-feira, maio 28, 2009

Não posso adiar o coração



Não posso adiar o amor para outro século
não posso, ainda que o grito sufoque na garganta
ainda que o ódio estale e crepite e arda, sob montanhas cinzentas
e montanhas cinzentas
Não posso adiar este abraço, que é uma arma de dois gumes, amor e ódio

Não posso adiar
ainda que a noite pese séculos sobre as costas, e a aurora indecisa demore
não posso adiar para outro século a minha vida, nem o meu amor, nem o meu grito de libertação
Não posso adiar o coração

António Ramos Rosa

5 comentários:

Laura disse...

O que melhor me soube foi; Não posso adiar o meu amor!...Mexe com a gente...Muito lindo, Não podemos adiar a vida, não da forma que queremos, ela é que adia o que tem de ser... Beijinhos e desculpa andar distante, a cabeça também não anda a funcionar como antes...ehhh, mas, na medida do possivel, estou ebnzinha.. laura.

bemviver disse...

Olá querida, muito linda sua postagem, e concordo plenamente não podemos deixar para o outro seculo todas as coisas que podem ser feitas neste. além do mais nossa vida seria uma inutilidade. Meu carinho BJS.

Maria Faia disse...

Querida Amiga,
O Amor não se adia nunca. Vive-se, certo?
E, como é bom viver!!

Deixo-te com um beijo amigo e solidário,

Maria Faia

Maria disse...

Não se pode adiar o coração
como não se pode adiar o amor.
Há que vivê-lo, intensamente, já que também não se pode adiar a vida...

Beijinhos, Lisa

Ana disse...

O coração é onde reside o amor e ele não pode lá ficar fechado, tem que ser entregue a quem careça dele. Não se pode adiar o que de mais importante há para dar.
Um belíssimo poema ilustrado com uma bela imagem.
Beijinhos grandes.