sexta-feira, abril 24, 2009

Abril...



Era uma noite serena mas com algum sobressalto da hora.Dormia eu calma e serena como toda a criança o faz,despreocupada das coisas,e das lembranças,só tem na mente os sonhos.E a mulher que escreve aqui só tinha cinco anos? E vai longe este dia.
Pois seria seis horas da manhã,de uma triste manhã,já muito distante,bateram a porta,mas aquele bater não era normal,mas trazia os ventos da violência e destruição.
Eram homens alguns para um só,entraram de rompante como se fossem os donos de alguma coisa, a casa virou desgraça,que valia ser criança,ou mulher,a ordem era para cumprir,levar e bater e continuar a bater até as pessoas falarem.Ai pegaram no Pai indefesso e maltratado como se de cachorro se trata-se e nem esse,até esses querem respeito e estima,nem a Mãe se conseguia chegar para ele e a afastaram.Os meus ouvidos ainda ouvem a frase( chega mulher para trás) se não queres ir junta,pois na cabeça de uma criança jamais esquecerá esta memória,que meu coração guarda com (raiva)e silêncio desse dia.
Quem não gostar da lembrança,passa em frente porque eu gosto,são as minhas memórias do antes? Tudo isto é uma razão bem forte pelo dia que Abril abriu,não se bateu mais em ninguém,não se humilhou por ter ideias e gostos diferentes.Para ti Pai neste dia que ainda conseguiste ver Abril,e hoje não,aqui vai continuar a ser Abril de alma e coração,e o teu cravo vermelho ficará bem no alto,como a pancada que levaste um dia,por um ser sem honra nem gloria,poderá estar vivo não sei,mas tu estás aqui no meu coração

24 comentários:

adenilson disse...

lindo texto
lindas palavras.
parabens pelo blog.
parabens pelo sentimentalismo
e saber transpor tudo em palavras..

lindo lindo

primeira vez no seu blog
espero retornar mais vezes.
uma grande abraço e está
convidad a vir no:
www.bagageirodocurioso.spaceblog.com.br

abraço e ótimo fim d semana!

Pico minha ilha disse...

E eu 5 anos tinha nesta altura.Que o dia de amanhã seja o começo de igualdade e prosperidade para todos, por igual.Beijinhos bfs

Carminda Pinho disse...

Viva o 25 de Abril, Lisa.

Beijos

UMA PAGINA PARA DOIS disse...

Canção do dia de sempre

Tão bom viver dia a dia...
A vida assim, jamais cansa...
Viver tão só de momentos
Como estas nuvens no céu...
E só ganhar, toda a vida,
Inexperiência... esperança...
E a rosa louca dos ventos
Presa à copa do chapéu.
Nunca dês um nome a um rio:
Sempre é outro rio a passar.
Nada jamais continua,
Tudo vai recomeçar!
E sem nenhuma lembrança
Das outras vezes perdidas,
Atiro a rosa do sonho
Nas tuas mãos distraídas...
Mário Quintana

Meus votos de um excelente final de semana, junto
às pessoas que ama.
Um abraço do amigo

Eduardo Poisl

Ana disse...

Já me fizeste chorar "garota".:-( Revivi com o que escreveste o meu passado, também com 5 anitos.
O meu pai trabalhava na VA era um grande pintor e muito inteligente. Lia muito, em matemática e português era uma "barra" e só tinha a antiga 3ª. Classe. Eu com anos já escrevia o meu nome, conhecia os números e sabia muitas coisas, porque ainda era filha única.
Era meio dia desse fatídico dia o apito da fábrica tocou a minha mãe dirigia uma loja com os meus avós maternos, (que também vendiam louça) mas que davam almoço a mais de vinte trabalhadores da fábrica. Eu estava sentadinha à espera do meu pai na cozinha no topo de uma mesita onde ele comia com mais 3 colegas. Ele entrou muito triste, quase nem olhou para mim nem me fez a festa que costumava fazer. Levou a minha mãe para o quarto e estiveram, lá fechado, algum tempo. Eu não entendia nada.
Saíram os dois com os olhos de quem tinham estado a chorar.
Ele não comeu, disse que não tinha grande fome, ela serviu os clientes com um olhar que eu desconhecia nela, perguntavam-lhe estás triste mulher? Ela abanava a cabeça a dizer que não.
Os funcionários da ex-Pide que aguardavam por ele na fábrica tinham-lhe transmitido para ele ir a casa, não contar nada a ninguém, que levasse alguma roupa, que dissesse à mulher que se calasse e que apenas ia para um interrogatório.
Ele chamou-me ao quarto e à minha mãe beijou-nos com lágrimas nos olhos e saiu, (apenas deixou que a minha mãe servisse os clientes, que só pagavam no fim de cada quinzena, quando recebiam).
À noite não voltou e eu não entendi nad, fazia perguntas e ninguém me respondia.:-(
A minha mãe só chorava. Depois apareceram lá em casa cinco mulheres amigas que choravam com ela (mulheres dos outros 5 que foram com ele). As seis foram a casa do Director da fábrica que não as atendeu, a seguir foram a Aveiro ao Governador Civil ao Dr. Vale Guimarães. Ele atendeu-as e transmitiu-lhes que eles estavam bem, em Coimbra, apenas para interrogatório. Uma delas da Vila de Vagos implorou de joelhos aos gritos que ele intercedesse por eles todos, que eram todos boas pessoas e que não eram contra o Governo. Ele tranquilizou-as dizendo que ia fazer alguma coisa.
E lá estiveram 6 Meses em Coimbra na penitenciária. Eu visitava-o sempre todas as semanas, íamos de comboio ou de autocarro.
A seguir, foi o que tu sabes, só tu mais do que ninguém, me entendes.
Em Abril de 1974 o meu pai estava já doente na cama, mas ainda sorriu e viveu feliz aquele tempo que se seguiu.
Logo a seguir publicado o livro 25 de Abril que lho li e ele já à beira do fim.
Faleceu em Novembro desse ano, vítima de cancro.
VIVI O 25 DE ABRIL DE 1974, NA ALTURA COM VINTE ANOS DE IDADE, COM UMA ALEGRIA EXTAZIANTE, NA ESPERANÇA QUE TUDO MUDASSE E FELIZ PORQUE O MEU PAI TAMBÉM ESTAVA, E ATÉ PENSEI QUE OS MÉDICOS ESTAVAM ENGANADOS PORQUE SENTI MELHORAS NA SUA DOENÇA.
Estou neste momento a ouvir os nossos governantes na televisão e estou a chorar porque só ouço palavras mais nada. Os ricos estão mais ricos e os pobres ainda mais pobres.
Um grande abraço muito apertadinho minha querida Lisa.
Ana Paula

Meg disse...

Lisa,

Como são intensas as tuas memórias! Transporta-nos a um tempo quase esquecido. È preciso ouvir testemunhos como o teu para não deixarmos que Abril esmoreça nestes tempos tão difíceis.

Beijo grande

Belisa disse...

Olá :)

Te envio beijo estrelado
Adorei ler estas palavras mil
Com um cravo encarnado
Hoje neste 25 de Abril!

Bjs

mundo azul disse...

__________________________________


O meu silêncio para suas palavras sentidas...


Beijos de luz e um domingo feliz!!!

___________________________________

Agulheta disse...

Olá Adenilson.
Obrigadao pela visita e palavras aqui ditas.
Abraço

Agulheta disse...

Salomé.Como sou mais velha! estas as minhas palavras para o antes,é muito bom actual mesmo com muitas coisas más.
Beijinho

Agulheta disse...

Carminda. Abril sempre,embora andem alguns a tentar apagar?
Beijinho

Agulheta disse...

Eduardo. O poema é lindo,os votos igualmente,agradeço de coração.
Beijinho fica bem.

Agulheta disse...

Ana.Como podes ler o meu sentir,pois passaste pelo mesmo,custa muito quando se é criança e jamais esquece o momento,hoje em dia tudo é fácil,mas as recordações ficam e dói no fundo da alma.
Beijinho fica bem

Agulheta disse...

Meg.Este episódio tão triste e dramático que nós vivemos,nos ensina a crescer e ter consciência ainda maior sobre certas e determinadas coisas actuais?
Beijinho fica bem.

Agulheta disse...

Belisa. Agradeço o teu cravo e as palavras boas.
Beijinho

Agulheta disse...

Mundo Azul.Só uma alma linda e suave entende,certas coisas como a Zélia.
Beijinho no teu olhar.

Lucy disse...

Amiga, pude sentir a tua tristeza e raiva. Ainda bem que Abril chegou...!

Um beijo solidário,
Lucy

Maria disse...

Querida Lisa, embora atrasada quero deixar-te um grande e viçoso cravo Vermelho, porque Abril tem de ser todos os dias.

Beijos

Liar disse...

Vozes como a tua lembrarão sempre Abril!

Bem hajas querida amiga.

Boa semana e bjinho mttttt grande

Céci

JMTinoco disse...

Era Abril e no ar havia um cheiro a cravo... que se mantem no teu poema. Parabéns! Vou voltar aqui para me encher das tuas palavras lindas.

Agulheta disse...

Lucy. Coisas há que jamais esquecem,esta ainda hoje está presente.
Beijinho e boa semana Lisa

Agulheta disse...

Liar. Por mim a data sempre será lembrada, e nunca esquecida.
Beijinho no teu olhar.

Agulheta disse...

Maria. Os amigos nunca vem atrasados,porque estão presentes no coração,obrigada pelo cravo,está bem comigo.
Beijinho linda.

Agulheta disse...

JM Tinoco.Obrigado pela visita e palavras,os amigos sempre são bem recebidos por aqui.Que Abril se mantenha no ar sempre como o cheiro a cravo.
Abraço