quinta-feira, abril 30, 2009

Maio_ou Maias


Esta foto foi tirada nas serras de Fafe,e as ditas giestas (maias)

Nesta altura por estes lados, se usa colocar à meia noite,de hoje as mais nas portas,uns dizem que é para o mau olhado,tradiçoes acredito,mas que as há é verdade?As portas das casas são enfeitadas com ramos de giesta amarela ou com coroas de flores chamadas de maia ou maio.Vejo por aqui muita gente enfeitar as portas de giestas.
E para completar este quadro,esta boa música de um cantor que jamais esquece no coração dos da minha geração...Zeca Afonso,esta música adoro,e hoje estou com vontade de escutar.

quarta-feira, abril 29, 2009

Dia Mundial da Dança 29 de Abril



A dança liberta a alma o coração e pensamento,onde o mesmo se entrega,o corpo no compasso de sons,envolvimento e leveza.



A dança não tem cor, tem ritmo e nela se encontra o prazer do momento



No eleva aos sonhos,pode ser novo,ou velho,dança e entrega os teus passos,para uma vida melhor mais livre e qualidade de vida.

E como adoro dança e pratico,aconselho?
Lisa
(fotos Net)

segunda-feira, abril 27, 2009

Orla Marítima



O tempo das suaves raparigas
é junto ao mar ao longo das avenidas
ao sol dos solitários dias de dezembro
Tudo ali pára como nas fotografias
É a tarde de agosto o rio a música o teu rosto
alegre e jovem hoje ainda quando tudo ia mudar
És tu surges de branco pela rua antigamente
noite iluminada noite de nuvens ó melhor mulher
(E nos alpes o cansado humanista canta alegremente)
«Mudança possui tudo»? Nada muda
nem sequer o cultor dos sistemáticos cuidados
levanta a dobra da tragédia nestas brancas horas
Deus anda à beira de água calça arregaçada
como um homem se deita como um homem se levanta



Somos crianças feitas para grandes férias
pássaros pedradas de calor
atiradas ao frio em redor
pássaros compêndios de vida
e morte resumida agasalhada em asas
Ali fica o retrato destes dias
Gestos e pensamentos tudo fixo
Manhã dos outros não nossa manhã
pagão solar de uma alegria calma
De terra vem a água e da água a alma
o tempo é a maré que leva e traz
o mar às praias onde eternamente somos
Sabemos agora em que medida merecemos a vida

Ruy Belo

sexta-feira, abril 24, 2009

Abril...



Era uma noite serena mas com algum sobressalto da hora.Dormia eu calma e serena como toda a criança o faz,despreocupada das coisas,e das lembranças,só tem na mente os sonhos.E a mulher que escreve aqui só tinha cinco anos? E vai longe este dia.
Pois seria seis horas da manhã,de uma triste manhã,já muito distante,bateram a porta,mas aquele bater não era normal,mas trazia os ventos da violência e destruição.
Eram homens alguns para um só,entraram de rompante como se fossem os donos de alguma coisa, a casa virou desgraça,que valia ser criança,ou mulher,a ordem era para cumprir,levar e bater e continuar a bater até as pessoas falarem.Ai pegaram no Pai indefesso e maltratado como se de cachorro se trata-se e nem esse,até esses querem respeito e estima,nem a Mãe se conseguia chegar para ele e a afastaram.Os meus ouvidos ainda ouvem a frase( chega mulher para trás) se não queres ir junta,pois na cabeça de uma criança jamais esquecerá esta memória,que meu coração guarda com (raiva)e silêncio desse dia.
Quem não gostar da lembrança,passa em frente porque eu gosto,são as minhas memórias do antes? Tudo isto é uma razão bem forte pelo dia que Abril abriu,não se bateu mais em ninguém,não se humilhou por ter ideias e gostos diferentes.Para ti Pai neste dia que ainda conseguiste ver Abril,e hoje não,aqui vai continuar a ser Abril de alma e coração,e o teu cravo vermelho ficará bem no alto,como a pancada que levaste um dia,por um ser sem honra nem gloria,poderá estar vivo não sei,mas tu estás aqui no meu coração

quarta-feira, abril 22, 2009

Dia da Terra



Hoje é assinalado o dia da terra! mas como agora há dias para todas as coisas,será mais um? Mas este se diga de verdade, que tem toda a lógica, pois sem esta terra não temos outra, imigrar para onde,e se nesta tem de caber tanta gente. Mas eu gostaria que esta terra onde todos os povos do mundo habitamos fosse devidamente cuidada e respeitada. mas quem pensa nisso,só o fará quando a água for escassa e lutar pela gota que cada dia escasseia mais, quando os montes estiverem todos queimados,e não se poder respirar,que cortem as florestas tropicais para uso dos poderes,quando tudo estiver poluído, os carros serem mais de que nós todos, se nas águas do mar não deitassem os lixos tóxicos e depois comer o peixe contaminado? se as terras fossem cultivadas como devia e sem adubos, para todos morrerem de cancro? Que deixassem os animais no seu habitat natural e não os comercializassem para ganhar dinheiro.Que deixassem de matar baleias a luz do dia e deixar as águas vermelhas...dizem para sobreviver? mas quem vê que temos pouco tempo para preservar o que é de nós todos, vamos reflectir neste problema que é de todos, e pensar nos filhos e nos netos, na herança que um dia lhe vamos deixar.

Lisa

terça-feira, abril 21, 2009

Prémios Oferecidos







Recebi da Filomena.Http://filomena-cantinho-dos-premios.blogspot.com Os prémios que aqui vou postar.É sempre bom receber estes miminhos, é sinal que os amigos se lembram de nós.No meu blog, tento ser amável amigo e sem vaidade de coisa alguma e simples como sou habitualmente,mas com estes prémios todos? Sei que muitas vezes não é fácil entender as diferentes opiniões,mas como estou aqui pela amizade e gosto pela partilha,amizade e muita paz,a mesma que é preciso nos dias que correm.Os prémios aqui estão e para não diferenciar nenhum, todos os amigos que aqui venham podem levar os mesmos,pois sei que o merecem,com carinho e amizade aqui estão para vós
Lisa

segunda-feira, abril 20, 2009

As Árvores do Mar



Enquanto escrevo
sobre o vento que passa
Entre os pinheiros

sobre as águas que deslizam
nos caminhos do mar

O pinheiro balanceia
As águas reproduzem-se
O vento respira

Abandono então o poema
E sento-me a ver o peixe
Voluptuoso a ouvir o corpo
Em sua morada

E não faço nada
Porque não há nada
Para fazer

Casimiro de Brito

sexta-feira, abril 17, 2009

Deve ser Brincadeira?


(Foto da Net)
O tempo passa rápido mas não se esquece o bem e o mal.Foi na noite 4 de Março de 2001,tinha acabado de chegar a casa do meu trabalho,me sentei frente a TV, a comer alguma coisa e ouço a noticia que fez calar o país e não só. Tinha caído a ponte Hintze Ribeiro,era só uma ponte parecia,mas não, tinha perdas de vidas humanas entre as quais famílias inteiras? Mas o porque destas palavras,ao longo da minha vida de Bombeiro (a) ao serviço de uma causa Vida por Vida,este dia doeu forte e fiquei sem fala,por tamanha catástrofe que fez perder tantas vidas.Já vi com meus olhos muita coisa,em que ficamos petrificados pela desgraça,a esta eu digo não tenho palavras para explicar a dor que muitos sentiram e eu naquele momento,mas principalmente a família. Os poucos que apareceram,tem um lugar para a família os venerar se quiser,os outros lá ficaram no rio,presos as areias? Se calhar,muitos passarão pela ponte,a nova claro que a velha está e conta a tragédia,a culpa foi de A,B,C, todas morrem solteiras.Depois deste tempo pedir contas a justiça às famílias por eles terem o direito de saber o porquê? Mas agora vamos todos pensar antes de sair de casa,não vá um telhado lhe cair em cima,ou cair ao rio e depois temos culpa por morrer?anda alguém a gozar com a paciência de todos nós... quem não sei,mas como gostaria.

quarta-feira, abril 15, 2009

Era madrugada




Era madrugada? Como tantas outras que passei mas esta era diferente.O silencio se tornou dia. O aclarear uma aurora,as vozes não eram roucas,os olhares transparentes e cristalinos como água.
No caminhar da rua os passos eram firmes e precisos,as pessoas se cruzavam,e sua maneira era cúmplice de algo que se conta aos amigos, parecia que a vida tinha parado naquele instante, a dizer uns para os outros estamos aqui,com força e determinação para avançar neste novo dia. O medo,esse ficou na soleira da porta nessa madrugada,como ficaram os cardos e opressões,e o frio na espinha que assolava em qualquer instante. Em poucas horas somente,o medo passou,bem longe a ilusão da miséria e da fome? Era Abril,um dia diferente, mas muito ausente já...hoje é o mesmo Abril, mas as pessoas sem esperança, continuam tristes,com miséria,e vejo que voltaram a estar na soleira da casa sombria, de braços cruzados para tudo e sem solução... me renego e digo não!Basta... onde está Abril de flor vermelha que espalhou alegria nos corações,a mesma que todos nós esperamos,que desabroche sempre como nessa madrugada,em que o silêncio ficou dia.

segunda-feira, abril 13, 2009

A Liberdade e a Justiça


(foto daqui)

A revolução do século XX separou arbitrariamente, para fins desmesurados de conquista, duas noções inseparáveis. A liberdade absoluta mete a justiça a ridículo. A justiça absoluta nega a liberdade. Para serem fecundas, as duas noções devem descobrir os seus limites uma dentro da outra. Nenhum homem considera livre a sua condição se ela não for ao mesmo tempo justa, nem justa se não for livre. Precisamente, não pode conceber-se a liberdade sem o poder de clarificar o justo e o injusto, de reivindicar todo o ser em nome de uma parcela de ser que se recusa a extinguir-se. Finalmente, tem de haver uma justiça, embora bem diferente, para se restaurar a liberdade, único valor imperecível da história. Os homens só morrem bem quando o fizeram pela liberdade: pois, nessa altura, não acreditavam que morressem por completo.

Albert Camus

sexta-feira, abril 10, 2009

Páscoa feliz



Tempo de reflexão a Páscoa para os cristãos. E porque não para todos que acreditam num homem que um dia agonizou junto a uma Oliveira por alguém que o traiu? Já aqui o dinheiro valia mais que o amor e amizade e conseguiu vende-lo por trinta dinheiros. E tantos à nossa volta agonizam porque alguém os trai, porque não é amigo. O patrão que não lhe deu o salário ganho pelo suor do seu rosto.
Aquele que trai pela doença e o deixa a sorte e solidão! É sempre tempo de construir a paz, em dar as mãos, o amor e reflectir por tudo que gira em sua volta, pois se alguém morreu na cruz, sofreu e amou o seu próximo. Esta será a forma de ver um salvador uno e invisível mas que ama do mesmo jeito e sentido de vida.
Aos amigos deste blog, boa Páscoa em amor e fraternidade e solidariedade pelos que sofrem em volta do mundo, pela desgraça e intempéries, as incertezas e ingratidão e o desamor.
Lisa

quarta-feira, abril 08, 2009

Como um Grande Borrão de Fogo Sujo



Como um grande borrão de fogo sujo
O sol posto demora-se nas nuvens que ficam.
Vem um silvo vago de longe na tarde muito calma.
Deve ser dum comboio longínquo.
Neste momento vem-me uma vaga saudade
E um vago desejo plácido
Que aparece e desaparece.
Também às vezes, à flor dos ribeiros,
Formam-se bolhas na água
Que nascem e se desmancham
E não têm sentido nenhum
Salvo serem bolhas de água
Que nascem e se desmancham.

Alberto Caeiro

terça-feira, abril 07, 2009

Rosas para ti!



Dias há que nada nos move para dizer seja o que for.Mas este de hoje é bem mais profundo e valioso, como uma pérola colhida do mais belo oceano que se chama alma. Num dia sete de uma data qualquer dei comigo apaixonar-me e passados sete anos na mesma altura,tenho nos braços o presente que iluminou a minha vida como mulher e mãe. Para ti neste dia filha a mais bela flor que és tu,venho juntar umas simples rosas aquelas que muitas vezes coloco aqui, as rosas de que tanto gostamos e que continues pela vida fora a seres como és, simples profunda e autentica como gosto,da tua mãe que te adora

Tu és para mim o dia
O sol que me ilumina
O que aquece a manhã fria
És a gota da chuva que
bate no rosto
És a minha estrela da madraguda


Lisa

segunda-feira, abril 06, 2009

Há-de Flutuar uma Cidade...



Há-de flutuar uma cidade no crepúsculo da vida
pensava eu... como seriam felizes as mulheres
à beira mar debruçadas para a luz caiada
remendando o pano das velas espiando o mar
e a longitude do amor embarcado

Por vezes
uma gaivota pousava nas águas
outras era o sol que cegava
e um dardo de sangue alastrava pelo linho da noite
os dias lentíssimos... sem ninguém

E nunca me disseram o nome daquele oceano
esperei sentado à porta... dantes escrevia cartas
punha-me a olhar a risca de mar ao fundo da rua
assim envelheci... acreditando que algum homem ao passar
se espantasse com a minha solidão

(anos mais tarde, recordo agora, cresceu-me uma pérola no
coração. mas estou só, muito só, não tenho a quem a deixar.)

Um dia houve
que nunca mais avistei cidades crepusculares
e os barcos deixaram de fazer escala à minha porta
inclino-me de novo para o pano deste século
recomeço a bordar ou a dormir
tanto faz
sempre tive dúvidas que alguma vez me visite a felicidade


Al Berto

sexta-feira, abril 03, 2009

Floriram por Engano as Rosas Bravas



Floriram por engano as rosas bravas
No Inverno: veio o vento desfolhá-las...
Em que cismas, meu bem? Porque me calas
As vozes com que há pouco me enganavas?

Castelos doidos! Tão cedo caístes!...
Onde vamos, alheio o pensamento,
De mãos dadas? Teus olhos, que um momento
Perscrutaram nos meus, como vão tristes!

E sobre nós cai nupcial a neve,
Surda, em triunfo, pétalas, de leve
Juncando o chão, na acrópole de gelos...

Em redor do teu vulto é como um véu!
Quem as esparze – quanta flor! – do céu,
Sobre nós dois, sobre os nossos cabelos?

Camilo Pessanha

quarta-feira, abril 01, 2009

Auto Estima



Se um dia alguém fizer com que se quebre a visão bonita que você tem de si,com muita paciência e amor reconstru-a. Assim como o artesão recupera a sua peça mais valiosa que caiu ao chão,sem duvidar de que aquela é a tarefa mais importante,você é a sua criação mais valiosa. Não olhe para trás.Não olhe para os lados. Olhe somente para dentro,para bem dentro de você e faça dali o seu lugar de descanso,conforto e recomposição. Crie este universo agradável para si. O mundo agradecerá o seu trabalho.

(Brahma Kumaris)