terça-feira, março 31, 2009

Um corpo de Verão



Era um corpo de verão que ondeava
Entre mil murmúrios de águas e sementes
Na sua nudez ardia o fogo dos pomares
Abracei a vigorosa doçura dos seus membros
bebi em alta sede a inocência ardente
conheci a sombra que floresce a brisa e o alimento
No centro enamorado da pátria arborescente

Casimiro de Brito

1 comentário:

Ana disse...

Um corpo de verão onde o fogo do amor arde de paixão neste maravilhoso poema de Casimiro de Brito.
A imagem está em sintonia perfeita com o teor do poema.
És especial Lisa, um "garota" que eu gosto e que me tem ajudado a ver a vida menos "amarga" porque no fundo ainda acredito no AMOR, nesse amor de paixão.
Desejo que esse amor nunca acabe no teu coração e que tenhas uma vida muito Feliz!
Beijinhos muito carinhosos,
Ana Paula