quarta-feira, dezembro 30, 2009



Aos amigos que por aqui deixaram palavras de afecto e amizade,o meu obrigado.Meu filho já se encontra melhor felizmente,e a minha preocupação fica melhor um pouquinho à medida que vou tendo noticias.Como entretanto não virei por aqui,desejo um Ano de 2010 cheio de amor,felicidade e esperança para dias melhores.Que o mesmo traga saúde, pão para quem o deixou de ter,menos egoísmo,e trabalho aos milhares de portugueses que não o tem,aos que sempre tem vindo dizer palavras de amizade,obrigados pelas mesmas e pela partilha de coisas bonitas que sempre aprendemos uns com os outros,obrigados por serem amigos.
Lisa

domingo, dezembro 27, 2009



Como tinha prometido aos meus amigos que por aqui viria no dia 27.E como o prometido é devido aqui vim,só para dizer um olá.Foram muitos amigos que por aqui vieram,e como tal o meu obrigado,não poderei comentar em todos vós infelizmente,direi sim infelizmente,pois o Natal não foi o melhor que gostaria de ter.Um filho meu se sentiu bastante doente e se encontra hospitalizado e amanhã será transferido para outra unidade da sua residência,o perigo já passou,a ansiedade foi muita de toda a família,foi grande o alvoroço e muita preocupação.Amanhã o vou acompanhar na transferência de hospital para hospital,e como o Fim de Ano está próximo,desejo a todos um bom Ano 2010 e que traga o melhor,saúde principalmente,obrigados a todos.
Lisa

segunda-feira, dezembro 21, 2009


Como estamos a dois dias do Natal,nada melhor que dizer uma palavra de amizade e carinho aos amigos deste blog.Obrigados pela partilha de palavras,comentários e poesia que vem ao encontro deste espaço,e por vezes como são importantes quer para mim,quer para outros.Os blogues só existem se por aqui estiverem os amigos.Quem vier por bem tem a porta sempre aberta e pronta para receber.A todos desejo um bom natal em família em solidariedade e amor para dar, como se fosse uma pequena estrela que tentamos alcançar a todo o instante.Mesmo que não o conseguimos,com a nossa chamada de atenção pelo que nos rodeia que nunca será demais.Pelas pessoas que sabem,como a vida esta difícil para a maioria das famílias,vamos com a nossa força fazer um mundo melhor para os filhos e netos.Este blog,vai estar em descanso até dia 27,me vou ausentar,como sempre sejam felizes e desejo Boas festas para todos que aqui venham

Lisa

Bom Natal e Próspero Ano 2010.

sexta-feira, dezembro 18, 2009



Nesta altura a emoção trava as palavras. As mesmas sai sentidas, e com tanta mágoa pela injustiça,o que se olha no dia a dia que nem tem explicação. As grandes superfícies tem tanta coisa que só chega para o bolso de alguns,outros entram e sai,de coração triste a contar os tristes tostões,"euros" que o seu bolso contem.Mas em contra partida,se lê que os hotéis estão cheios,para a passagem de ano que se aproxima,como pode haver tanta infelicidade para uns e tanta abundância para outros.Deviam os senhores políticos,descer as ruas e ver,como podem viver uns com tão pouco,entre os quais os reformados...pobres" porque os ricos não tem problema algum,vamos andar nisto sempre! Deviam ter um pouco de vergonha,deixar de fazer escravos da sorte os pobres,eu gostaria de ver Natal para todos sem excepção.
Lisa
foto:http://vintageimagesepostais.blogspot.com

quinta-feira, dezembro 17, 2009



FALAVAM-ME DE AMOR

Quando um ramo de doze badaladas
se espalhava nos móveis e tu vinhas
solstício de mel pelas escadas
de um sentimento com nozes e com pinhas,

menino eras de lenha e crepitavas
porque do fogo o nome antigo tinhas
e em sua eternidade colocavas
o que a infância pedia às andorinhas.

Depois nas folhas secas te envolvias
de trezentos e muitos lerdos dias
e eras um sol na sombra flagelado.

O fel que por nós bebes te liberta
e no manso natal que te conserta
só tu ficaste a ti acostumado.

Natália Correia
Foto:
http://microargumentos.blogspot.com

quarta-feira, dezembro 16, 2009



Meus amigos. Já ontem era para falar em algo que me tem deixado muito triste desde sábado,dois jovens da tenra perderam a vida num acidente de automóvel. Estes jovens de tenra idade digo,a Rita de 13 anos apenas, e o seu irmão Paulo de 16.A sua juventude ditava que tudo estava para seguir na vida junto de sua família,humilde mas de grandes sentimentos.Não quis o destino que na noite de sábado,fossem além dos seu planos futuros,e ficaram na estrada que naquele dia cruzaram,outro jovem está internado no Hospital de S. João Porto e seus amigos,fizeram um blog para ele ler quando acordar do coma,peço a todos os amigos que aqui vierem visitarem,para lhes deixar uma força a ele e familiares nesta hora tão desoladora.Aqui fica o link: http://todosporti.blogspot.com/ é por isto que nós Bombeiros temos de ser fortes,mas momentos há onde a tristeza invade o coração de dor tão grande,que nem podemos explicar os sentimentos contidos.Não deixem de visitar por favor,para os irmãos que partiram,a árvore da vida ficou triste, e sem os frutos ainda verdes,que a mesma continha,esperando amadurecer.
Lisa

terça-feira, dezembro 15, 2009



Uma Voz na Pedra

Não sei se respondo ou se pergunto.
Sou uma voz que nasceu na penumbra do vazio.
Estou um pouco ébria e estou crescendo numa pedra.
Não tenho a sabedoria do mel ou a do vinho.
De súbito, ergo-me como uma torre de sombra fulgurante.
A minha tristeza é a da sede e a da chama.
Com esta pequena centelha quero incendiar o silêncio.
O que eu amo não sei. Amo. Amo em total abandono.
Sinto a minha boca dentro das árvores e de uma oculta nascente.
Indecisa e ardente, algo ainda não é flor em mim.
Não estou perdida, estou entre o vento e o olvido.
Quero conhecer a minha nudez e ser o azul da presença.
Não sou a destruição cega nem a esperança impossível.
Sou alguém que espera ser aberto por uma palavra.


António Ramos Rosa

segunda-feira, dezembro 14, 2009



Saber Viver

Não sei... Se a vida é curta
Ou longa demais para nós,
Mas sei que nada do que vivemos
Tem sentido, se não tocamos o coração das pessoas.

Muitas vezes basta ser: Colo que acolhe,
Braço que envolve, palavra que conforta,
Silêncio que respeita, alegria que contagia,
Lágrima que corre, olhar que acaricia,
Desejo que sacia, amor que promove.

E isso não é coisa de outro mundo,
É o que dá sentido à vida. É o que faz com que ela
Não seja nem curta, nem longa demais,
Mas que seja intensa, verdadeira, pura... Enquanto durar

Cora Coralina

domingo, dezembro 13, 2009



Sei que estamos em época de Natal festa da família e das crianças. E porque falar em crianças, pensamos voam alto, e nos leva ao passado triste da mesma época e não a actual. Os portugueses por vezes e alguns, teimam apagar as memórias e tentar passar de lado, do que fazer a ginástica da lembrança na cabeça. E hoje ao vendo noticias, vejo mais uma, que me deixa triste por causa de quem tenta safar ou apagar as mágoas que destruíram famílias e as crianças, com ausência do seu pai em alturas de Natal. Falo em presos políticos, e não é que a memória da antiga Rua José Maria Cardoso, onde era a sede da polícia política…PIDE.Esse edifício, devia sim ser um arquivo da memória, mas como fizeram um condomínio de luxo, a força do dinheiro. Só penso como uma câmara socialista deixa que isto aconteça. Foi neste mesmo edifício, onde esta polícia atirou as pessoas que se encontravam na rua a seguir ao 25 de Abril. Devemos sim cultivar as memórias, e não como sempre acontece, desde há longos anos, safar ou apagar. Estas palavras foram as que saíram como sempre, quando vejo e ouço o que não gosto de ouvir. Só pergunto, como se sentirá as pessoas que forem habitar este condomínio, sem se lembrar das noites de terror e espancamento de pessoas, onde era proibido pensar diferente. O meu país que tudo vende quando lhe cheira a dinheiro, povo sem memória, é um povo triste não se lembra do passado como deveria.
Lisa

Foto:ofuncionariocansado.blogspot.com

sexta-feira, dezembro 11, 2009



NATAL À BEIRA-RIO
É o braço do abeto a bater na vidraça?
E o ponteiro pequeno a caminho da meta!
Cala-te, vento velho! É o Natal que passa,
A trazer-me da água a infância ressurrecto.
Da casa onde nasci via-se perto o rio.
Tão novos os meus Pais, tão novos no passado!
E o Menino nascia a bordo de um navio
Que ficava, no cais, à noite iluminado...
Ó noite de Natal, que travo a maresia!
Depois fui não sei quem que se perdeu na terra.
E quanto mais na terra a terra me envolvia
E quanto mais na terra fazia o norte de quem erra.
Vem tu, Poesia, vem, agora conduzir-me
À beira desse cais onde Jesus nascia...
Serei dos que afinal, errando em terra firme,
Precisam de Jesus, de Mar, ou de Poesia?

David Mourão Ferreira

quarta-feira, dezembro 09, 2009



Com o aproximar do Natal as saudades voltam como fantasmas.
Eles me visitam,uns deixam sorrisos,outros ligeiras melancolias
mas um deles deixa uma saudade sem fim,de alguém que foi e não mais volta.O cheiro da canela pelas narinas ao fim da tarde e a bela aletria doce,como o tempo correu,as rabanadas na mesa e uma bela toalha de linho branco,que mais parecia neve,as grandes travessas que fumegavam com as couves e o bacalhau,e tudo em alvoroço em volta da cozinha! E mais tarde na mesa,a alegria dos crescidos e dos miúdos,que não se cansavam de perguntar as horas para irem dormir, e esperar que o fogão arrefecesse para depositar os sapatos e esperar para o dia seguinte... sempre com o brilho do olhar,e dizer,o que será que o Menino Jesus trás para mim logo pela manhã.E como no dia seguinte se ficava feliz com tão pouco,não tinha fitas de cores,mas tinha um amor enorme,os chocolates recebidos e uma boneca pequena,mas que fazia as alegrias das meninas da altura,e para não falar do carrinho de chapa pintada para os meninos,até a tinta não fazia mal...e hoje tudo faz mal,até os sonhos fazem mal a alguns, era assim o meu natal e como os de muitos na altura,e como éramos felizes,com tão pouco?
Lisa

terça-feira, dezembro 08, 2009



A manhã já ia um pouco alta,quando fomos dar uma volta pela serra da Lagoa.Local bonito onde temos de pano de fundo,o Gerês a serra do Marão,hoje por sinal com alguma neblina se via muito pouco.E tal não foi o meu espanto que apesar de ser uma serra de Fafe,ainda no sábado passado por aqui nevou com alguma intensidade,me disseram hoje algumas pessoas do local.Tinha por fundo ainda o Monte da Senhora da Graça,chamado de Monte Farinha.Passei em locais onde já combati alguns incêndios, e hoje fiquei feliz de ver novas plantações de pinheiro que estão abundar pelo local,tirando o Azevinho que está de novo a renascer de cinzas passadas.Neste local para além de ser muito bonito,noutras alturas a sua povoação era na maioria carvoeiras e viviam do carvão e pastorício,ainda fazem as meias de lã de ovelha para as botas grossas, que bem quentes são no inverno.Aqui abundam grandes rebanhos de cabritos e ovelhas.Era aqui que noutras alturas se fazia o famoso Raly de Portugal,um ex-líbris deste conselho,se deixou de realizar e tenho saudades quando estava de serviço ao mesmo,Hoje se fazem por aqui outros ralys mas nada que se compare o anterior.Neste local existe um grande parque eólico,para fornecer energias limpas.Depois viemos fiz o almoço,já um pouco tarde,mas a manhã foi boa ao ar livre e sem chuva.

domingo, dezembro 06, 2009



(foto google)

A árvore esta enfeitada de cores mil,as luzes brilham em sonhos da infância e recordações.No verde das folhas eu deixei a esperança,nas bolas de cor rubra é o vermelho de um coração generoso e cheio de solidariedade. Nos pequenos flocos de neve eles seriam os sonhos dos meninos de todo o mundo.Em cada presente de papeis de várias cores, ao desembrulhar, teriam os presentes ideais para qualquer jantar de família, saúde solidariedade e união de todos. E no topo colocaria uma estrela que brilharia com imensa luz, para iluminar os povos do mundo inteiro,para se acabar com as guerras e destruição do planeta.Esta seria uma bela árvore de natal.
Lisa

sexta-feira, dezembro 04, 2009



Um dia observando um terreno baldio, fiquei comovido ao identificar no meio as várias ervas daninhas um linda flor de cor amarela.
Não era difícil percebê-la , sua cor e forma contrastavam enormemente com as ervas de coloração verde que a rodeavam.
Durante alguns minutos essa súbita observação suscitou em mim uma série de reflexões: pensei no quanto estamos em um mundo difícil de se viver e no quanto é importante a gente não se pode deixar sufocar pelos problemas.
Conclui que por mais que o mundo esteja cheio de ervas daninhas, nós não temos que nos tornar uma delas. Não importa qual sejam as dificuldades haverão sempre flores amarelas...
Quando deixamos de percebê-las é porque a pretensão de achar que sabemos tudo nos tapa os olhos.
Nisso, perdemos a um pouco da nossa identidade e passamos a achar o nosso lugar ruim de viver. Invejamos o jardim do vizinho.
Achamos que seríamos mais felizes com uma outra casa, carro, emprego... vã ilusão! Poucos são os jardins onde não existem ervas daninhas.
O que torna uns mais belos que os outros é tão somente a maneira como os observamos e a capacidade que temos, ou não, de identificar as flores em meio às ervas daninhas.

Sabedoria dos mestres
foto:glimbo.com

quinta-feira, dezembro 03, 2009

Meus amigos hoje tenho a lastimar,o que nos preocupa todos os dias quem se recorre da Net. Já algum tempo que por aqui ando blog,e encontro de tudo, gente boa de paz e amizade, mas tem outras vezes que nos entra portas dentro, um inteligente e de fraca índole que dá para ficar com os nervos a flor da pele. Como disse anteriormente, tenho os blogs, para partilhar palavras poemas, e alguns pensamentos, dizer mal nunca, ou me tentarem a aceitar coisas impingidas pelos outros igual, penso com a minha cabeça e não me tenho dado mal.
Ontem ao abrir os comentários, encontrei lá um que nada presa a linguagem dos blogs, a camaradagem e a boa amizade que deve reinar. Um comentário de um amigo (a) não sei porque nunca o saberemos, porque essa tal pessoa veste pele de cordeiro em pele de lobo! Mas eu como nunca tive medo, o mesmo pode ficar descansado, não ligo a ” ressabiados” Ressabiado, digo eu, é aquele tipo que acha que vale mais do que aquilo que a realidade demonstra, e que por causa disso vive chateado, consigo e com os outros. Por aqui temos um lema, quando nos causa problemas? Os daqui correm com eles a “pau de marmeleiro” (porque com Fafe ninguém Fanfe) eu costumo enfrentar as chamas pelos “chifres” como vê! Quanto mais,gente perversa feita você, sem educação que gira em volta de gente de bem, não gosto de confusões, não o conheço de lado nenhum,nunca lhe fiz visita em blogs,se os tem claro, e dispenso que venha aqui, a porta para gente deste carácter esta fechada a “Sete chaves? E não a cinco” Olhe vá dar uma volta, e coloque as ideias no lugar, porque deve ter um parafuso a menos nos neurónios, fracos que ainda existem na cabeça deste senhor (a). A próxima vez que venha azucrinar a cabeça, vou tratar do seu caso com o servidor destes blogs.Posso dizer que tem todo o direito de andar zangado, gostar de escrever as malcriadices que está habituado, mas vá escrever para sites que lhe dê mais prazer psicológico e afins! Este não, está interessado na sua escrita. Se tem tempo livre, e anda a gastar saliva com conversa de treta, nesta altura, tem tanto sítio onde possa ser útil a sociedade, onde você esta inserido.Crianças abandonadas que precisam de um sorriso, velhinhos para os ajudar na solidão, e um sem fim de coisas, mas pelo que vejo, só anda a fazer mal, e disto estamos cheios todos os dias.
Se aqui voltar, só perco uns segundos apenas e apago os comentários, é o que costumo fazer a gente incómoda que abunda por aqui.

Lisa

segunda-feira, novembro 30, 2009



(foto do Google)

Antes de amar-te, amor, nada era meu
Vacilei pelas ruas e as coisas:
Nada contava nem tinha nome:
O mundo era do ar que esperava.
E conheci salões cinzentos,
Túneis habitados pela lua,
Hangares cruéis que se despediam,
perguntas que insistiam na areia.
Tudo estava vazio, morto e mudo,
caído, abandonado e decaído,
Tudo era inalienavelmente alheio,
Tudo era dos outros e de ninguém,
Até que tua beleza e tua pobreza
De dádivas encheram o outono.

Pablo Neruda

domingo, novembro 29, 2009




Neste dia posso ser o sol
que ilumina os teus passos
os sentimentos e abraços
os sonhos e saudades,sim
da juventude que vai fugindo
mas ainda sinto o pulsar
das horas,e dos minutos
que moram no meu coração
o amor que ilumina a vida,
os olhos cintilantes quando
se cruzam nos teus,os desejos
Mas sou a mulher,que sofre
e luta pela injustiça e pela
falta de solidariedade dos outros.
Mas neste dia quero ser eu,
aquela que recebe um beijo
um carinho de quem amo,o abraço
dos filhos,dos netos
Mas neste dia quero,ser eu de alma
e coração,que recebe uma rosa
pela data e rodeada por quem gosta de mim.

Lisa 29/11/2009

Foto:luaimaginadapoemas

quinta-feira, novembro 26, 2009


O Mar é Longe, mas Somos Nós o Vento

O mar é longe, mas somos nós o vento;
e a lembrança que tira, até ser ele,
é doutro e mesmo, é ar da tua boca
onde o silêncio pasce e a noite aceita.
Donde estás, que névoa me perturba
mais que não ver os olhos da manhã
com que tu mesma a vês e te convém?
Cabelos, dedos, sal e a longa pele,
onde se escondem a tua vida os dá;
e é com mãos solenes, fugitivas,
que te recolho viva e me concedo
a hora em que as ondas se confundem
e nada é necessário ao pé do mar.

Pedro Tamen, in "Daniel na Cova dos Leões"
Foto:
entremares.blogs.sapo.

quarta-feira, novembro 25, 2009



Noite companheira de palavras
Das horas desertas, e profetas
De vidas sem rumo e sem destino
Prostitutas,o vagabundo,o frio

Noite das estrelas, da luz
Que vigias o sono e conduz
Aos sonhos de poetas, amantes
Que em tuas noites, vive distantes.

Oh noite do desespero, desalento
De quem não tem lar, um carinho
Noite marginal, sem sustento
És a noite luar, e contentamento

Á noite se cruzam amores
Se dão abraços, de amantes
Caminha-se em paços errantes
Unem-se corpos de suor, paixão
De clara saudade distante: NOITE



Noite 26/09/2007 Lisa

terça-feira, novembro 24, 2009


As mãos pressentem...

As mãos pressentem a leveza rubra do lume
repetem gestos semelhantes a corolas de flores
voos de pássaro ferido no marulho da alba
ou ficam assim azuis
queimadas pela secular idade desta luz
encalhada como um barco nos confins do olhar

ergues de novo as cansadas e sábias mãos
tocas o vazio de muitos dias sem desejo e
o amargor húmido das noites e tanta ignorância
tanto ouro sonhado sobre a pele tanta treva
quase nada

Al Berto
foto( daqui:http://raquelordonesemgotas.blogspot.com

domingo, novembro 22, 2009



Queria soltar as palavras nesta dia,mas
a chuva impregnou meus pensamentos com pingos
soltos,e levara com elas as pombas,que me visitam.
Os sonhos fugiram,pela janela os tentei agarrar no pensamento,
só meu,mas o voo foi alto demais para mim,estiquei
meu corpo franzino em bicos de pés
mas elas lá foram,neste dia e final de tarde

sexta-feira, novembro 20, 2009



Os anjos que conheço são de erva e de silêncio
nalgum jardim de tarde. Mas quais os mais ardentes?
Feitos de mar e sol, elevam-se nas ondas,
entre as mulheres de coxas tão fortes como touros
O meu luto é de mesas e de bandeiras sem paz
É estar sem corpo à espera, inconsolada boca,
o fogo ateia o peito, a cabeça perde a fronte,
o vazio rodopia, é o celeste inferno.
Desço ainda um degrau com o anjo infernal,
um turbilhão de ervas, um redemoinho de sangue
Quem me vale agora se perdi o meu cavalo?

António Ramos Rosa
foto:glimbo

quarta-feira, novembro 18, 2009



Canção de alta noite

Alta noite, lua quieta,
muros frios, praia rasa.
Andar, andar, que um poeta
não necessita de casa.

Acaba-se a última porta.
O resto é o chão do abandono.
Um poeta, na noite morta,
não necessita de sono.

Andar...Perder o seu passo
na noite, também perdida.
Um poeta, à mercê do espaço,
nem necessita de vida.

Andar... - enquanto consente
Deus que seja a noite andada.
Porque o poeta, indiferente,
anda por andar - somente.
Não necessita de nada.


Cecília Meireles

terça-feira, novembro 17, 2009




Como passou o tempo,foi tão depressa...a galope.
que só de pensar fica pressa minha voz.
Agora resta a madruga,a lua as estrelas!
penso que naquele tempo tudo era melodia
até acordar pela manhã e sentir o dia.
Hoje a cada instante esperamos sempre pelo amanhã
mesmo que não seja o mesmo,mas esperamos...é do tempo.
Lisa

foto http://oamoreeterno.blogspot.com

sábado, novembro 14, 2009



Dia

De que céu caído,
oh insólito,
imóvel solitário na onda do tempo?
És a duração,
o tempo que amadurece
num instante enorme, diáfano:
flecha no ar,
branco embelezado
e espaço já sem memória de flecha.
Dia feito de tempo e de vazio:
desabitas-me, apagas
meu nome e o que sou,
enchendo-me de ti: luz, nada.

E flutuo, já sem mim, pura existência.

Octavio Paz, in "Liberdade sob Palavra"

sexta-feira, novembro 13, 2009


(foto google)

Deixei-me levar pelo som do vento
que batia no rosto. Como uma folha perdida,
ao longo do caminho vagueei em cima de folhas de várias cores,
como fossem labaredas da minha mente,e de passo insatisfeito.
Continuo pelas ervas pisadas,e onde um dia um par de botas
as marcaram como uma pedra, e como dói o sentido lamento.

Lisa 13/11/2009

quarta-feira, novembro 11, 2009



Acende o lume e fita os olhos no crepitar da lenha
despeja nela as castanhas,e sente o cheiro entrar
nas narinas e volta ao tempo das lembranças,
quando eras criança,fecha os olhos. Em volta de ti
estão os colegas da escola,te esfregam a cara
de cinza e recordações,do tempo verdadeiro
e de S. Martinho com toda a simplicidade,então
pega num molho de lenha,e volta a assar as castanhas
das tuas recordações.

Lisa,11/11/2009

terça-feira, novembro 10, 2009



"Muitas vezes as pessoas tentam viver a vida às avessas: eles procuram ter mais coisas ou mais dinheiro, para poderem fazer o que querem, de modo que possam ser felizes. A coisa deve funcionar ao contrário: você primeiramente precisa ser quem você realmente é, para então fazer o que precisa ser feito, a fim de ter o que você deseja".

Shakti Gawain

segunda-feira, novembro 09, 2009



Ouve amor! Hoje é nosso dia, naquele de passo apressado pela nossa linda idade,o fizemos em conjunto.As minhas mãos tremiam,nem conseguia segurar as flores que nas mesmas tinha.
O meu coração parou no instante,quando alguém perguntou se era de espontânea vontade? Sim eu disse, mas a vontade de correr para os teus braços como o fiz,ao longo das horas e dos dias que fomos caminhando.Mais um ano passou a teu lado, vamos caminhando e eu segurando no meu ramo,embora hoje com segurança e não da pouca idade daquele dia,e quando as rugas das mãos forem muitas,ainda irei segurar nas mesmas flores como no primeiro dia,mas não de mão tremulas.
Lisa

domingo, novembro 08, 2009



O melhor amor é aquele que acorda a alma
e nos faz querer mais,
que coloca fogo em nossos corações
e traz paz as nossas vidas,
foi isso que você fez comigo
e era isso que eu queria ter feito com você para sempre...

(Diário de uma paixão)
Nicholas Sparks

sexta-feira, novembro 06, 2009


(foto google)

De quando em quando, e tendo um pouquinho de tempo abro o meu baú das recordações. Hoje fazendo algumas arrumações, pelo tempo que ficou mais frio, vamos tirar a roupa que já deixa a saudade! E não é que na velha arca encontrei tanta coisa? Em todas elas tinha uma palavra Amor, umas pecinhas pequeninas de tanto encanto, com lindos bordados e rendinhas, e até a velha fraldinha como era de norma. Hoje como eles cresceram, já não as usam mas estão lá guardadas com o tal amor. A bata da escola, com o nome bordado pela mãe, lá está no meu baú! Os sapatos dos primeiros paços, o lacinho da blusa do colégio, a camisola da ginástica, e até duas camisolas, que falam num logótipo de Abril, também quiseram ter. Esta a razão do meu baú sem falar em tantas outras coisas que guardei, mas darei seguimento, porque hoje só lembrei, e abri as duas páginas da razão da vida de ser mãe…os filhos.
Lisa

quinta-feira, novembro 05, 2009



(foto google)

Olá meus amigos! Como é bom escrever o que se sente e sentir que outros pensam da mesma forma.Lhe posso chamar de carolice ou aquela vontade de escrever o que o coração sente,talvez seja isso,não sou um poeta,longe disso,mas o coração está lá nas linhas das palavras.E como gosto de dar o nome das coisas,desde criança que os valores me foram ensinados a respeitar e dignificar os meus e os amigos,como tal assim continua sempre.Depois de eu ter a vontade de servir uma causa,me alistei nos Bombeiros como Voluntária,muito aprendi como ser humano,ao ver as tristezas dos outros,e solidão de alguns, e quando encontrava os velhinhos de que poucos gostam,lhes dava sempre uma palavra amiga e até cantava para eles,se sentiam felizes e melhor por tão pouco.Por esta aprendizagem estou grata,a todos que comigo trabalharam e foram muitos,daqui e de fora,os amigos são muitos e todos me conhecem e sabem como é,todo este altruísmo e força de vontade.
Por isso a todos que vieram comentar,agradeço a visitas e as palavras,pelo texto anterior que escrevi com algum sentimento,e desilusão por outros,obrigados.
Lisa

quarta-feira, novembro 04, 2009



Hoje me apetece falar,se calhar só por falar. Tanta coisa temos para dizer algumas vezes. E como já devem ter percebido este blog,gosta de amizade, solidariedade e poesia. Sei que nem sempre se gosta de comentar algumas coisas,eu compreendo,mas quando se vai a um amigo feliz e despreocupado assim é. Não preciso dizer que isto está mal,aquilo não devia ser feito,para isso temos os jornais,mas se somos pessoas por inteiro devemos ter capacidade de fazer o que gostamos. Como gosto do que faço assim é.Cabeça arejada e limpa,sem maldade seja do que for,quem vier será bem vindo,quem não o fizer que seja feliz.Muitos amigos aqui criei e gosto de visitar,se calhar não quanto eu gostaria,mas a vida não dá para mais.Os meus ideais estão aqui,amiga do seu amigo,sou feliz felizmente e tenho uma família linda,coisas importantes para me sentir bem,aos amigos que gosto neste lugar desejo o mesmo.

Lisa

segunda-feira, novembro 02, 2009



Mulher que percorre o caminho com passos da madrugada.
Vazia, fria e gelada,com o coração faminto,só tens as pedras da calçada,e estrelas por companhia.
Mendigos alguns; e seres humanos de vida fácil,passos lentos. Ela olha o vazio,sem rumo!Sem ninguém, á espera para lhe dar um carinho,mas fica o olhar da solidão, da calçada.
Da vida triste e amordaçada,vagueando ao acaso,sem leme esperando pelo abraço aconchegado, do destino que um dia a deixou só.

Lisa 2/11/2009

domingo, novembro 01, 2009



Decorria o dia em silêncio nos meus olhos.
Tudo era frio e sereno,a saudade aperta
e uma simples lágrima rola na face,
daquela voz que deixei de ouvir,as palavras
que ficaram no peito,hoje nada mais sei dizer,
senão o silêncio do olhar e uma flor para vós!

Lisa

sexta-feira, outubro 30, 2009


(foto google)

O meu olhar azul como o céu
É calmo como a água ao sol.
É assim, azul e calmo,
Porque não interroga nem se espanta ...
Se eu interrogasse e me espantasse
Não nasciam flores novas nos prados
Nem mudaria qualquer cousa no sol de modo a ele ficar mais belo...
(Mesmo se nascessem flores novas no prado
E se o sol mudasse para mais belo,
Eu sentiria menos flores no prado
E achava mais feio o sol ...
Porque tudo é como é e assim é que é,
E eu aceito, e nem agradeço,
Para não parecer que penso nisso...)

Alberto Caeiro

quinta-feira, outubro 29, 2009



Praia do Esquecimento

Fujo da sombra; cerro os olhos: não há nada.
A minha vida nem consente
rumor de gente
na praia desolada.

Apenas decisão de esquecimento:
mas só neste momento eu a descubro
como a um fruto rubro
de que, sem já sabê-lo, me sustento.

E do Sol amarelo que há no céu
somente sei que me queimou a pele.
Juro: nem dei por ele
quando nasceu.

David Mourão-Ferreira, in "Tempestade de Verão"

terça-feira, outubro 27, 2009



No meu navegar seria um mar azul
e poderia ser um veleiro,
do meu corpo faria as ondas,
do meu sentir o motor,dos olhos o farol
que vigia e zela,dos braços os remos
da esperança,do coração as velas brancas da paz,
do convés a liberdade,com gaivotas brancas
onde devem pousar, e tornar seu destino
num mar de amor.

Lisa

segunda-feira, outubro 26, 2009



Abri a porta da esperança! Nela vi sardinheiras de mil cores e trepadeiras ,onde os pássaros em sons diversos me tentam acordar de silêncios adormecidos.No peito ainda sinto o cansaço,dos sonhos e ilusão que guardo na alma do meu ser.De imagens que ficaram adormecidas em silêncios nocturnos,mas continuo a abrir a porta de mim e do meu ser,porque o meu coração se sente feliz,sempre que abro a porta da esperança logo pela manhã.

Lisa

domingo, outubro 25, 2009



A chuva molha meus sonhos num final de tarde
e no silêncio de a ver cair,os meus sonhos voltam,
a estrada fica molhada,do brilho da água que cai
a tarde já vai alta,e continuo a ver cair a chuva,
ali fico de volta aos sonhos dourados de criança
num final de tarde,encostada à vidraça do meu ser.

Lisa

sexta-feira, outubro 23, 2009



O pensamento é um caderno! onde guardo a poesia num
cantinho florido e colorido, ai o meu ser fica mais eu
com as palavras,em versos direi digo eu.
Logo de seguida eu solto as amarras, e escrevo em
prosa,neste caderno...pensamento, eu guardo folhas de brilho
deslumbrante,tem linhas da vida,de amante,e mãe
pequenas folhas,que estão a florir,onde os sorrisos entram
no meu coração,e nele se traduz toda a minha alma.Ele fica preenchido de várias formas e cores,amor à vida, à natureza e a tudo que esta alma sente.

Lisa

quinta-feira, outubro 22, 2009



Outono despido de folhas
e lembranças, que ficaram no coração
Sempre que vens levas de partida
a saudade,e tudo que de frágil fique
vens agreste de vento forte
e nos despejas a alma,no momento
ficam,os momentos tristes e angustiados,
o verde da esperança vai custar a voltar.
Então fico esperando,na soleira da porta!

Lisa

quarta-feira, outubro 21, 2009



De volta a este espaço que tanto gosto,pela partilha, pela amizade presente, e pelos amigos lindos que entram por este espaço.Como tinha dito,foi de fim de semana e pensava eu que iria ser mais prolongado? O pior é que tive que regressar,por motivo de um familiar que partiu para sempre,mas não no nosso coração.
Para os amigos que por aqui vieram o meu obrigado,pelo carinho e pela amizade presente.
Vou tentar visitar todos,só cheguei hoje pelo meio dia e tenho algumas coisas para fazer.
Lisa

quinta-feira, outubro 15, 2009



Para os Amigos

De entre todos, apenas vós
tendes direito a ver-me
fracassar. Onde caio
entre a vossa irónica
doçura implacável, convosco
partilho o pão e o espaço
e a rapidez dos olhos
sobre o que fica (sempre)
para dar ou dizer.
E de vós me levanto
e vos levo pesando
e ardendo até onde
me ajudais a ser
melhor ou talvez
menos só.

Vítor Matos e Sá

Este fim de semana vou estar ausente deste espaço,mas fica a saudade dos amigos que aqui vem,a todos desejo o melhor do mundo,estarei por aqui na segunda.Até lá sejam felizes e fiquem com o poema dedicado a todos vós com carinho

terça-feira, outubro 13, 2009


Captação da Essência

Eu amo a noite inquieta
E venho vê-la Com olhos de poeta
Ela me beija e abraça.
Me prende pela cintura
E se me enlaça,Sonâmbulo,lendária
Em gestos me define solitária.
E são noites inquietas
De surda melancolia
Ó minhas noites vazias!
Que dentro de mim constroem
O desencontro dos dias

Soledade Sumavielle

domingo, outubro 11, 2009


Foto Irene Sheri

Neste dia de descanso e reflexão para alguns! O meu, é sobretudo tranquilo e em família,paz tranquilidade e harmonia.O sol está lindo e calor ameno e delicioso.Ficam as palavras.

As mãos é sinal de partilha,assim elas devem estar abertas
Se te abeirares da janela olha o horizonte,mas sobretudo o teu!
Nunca deixes de abrir o coração para o dialogo e a fraternidade
Ao caminhares,o faz com determinação,mesmo na horas incertas.

Lisa

sexta-feira, outubro 09, 2009



Nas mãos devemos ter a doçura
Em nossos olhos a esperança
No coração a pureza
Ao longo da vida,humildade
nas atitudes a simplicidade
Devemos partilhar e contribuir
Para um mundo melhor,em tudo.
E com os outros a ternura.

Lisa

quinta-feira, outubro 08, 2009



Se crisparam as palavras escritas
pela palma da minha mão
Os olhos se fecharam pelo que vi
o lamento, a injustiça e a falta do pão
hoje me calo pelas palavras ditas

Lisa

quarta-feira, outubro 07, 2009



O dia que não tem hora
do tempo nem da dor,
eu despida de poesia
sou como a onda que vai e vem
a voz pode sofrer,e lá vai a
onda após onda
do tempo perdido
que não consigo apanhar
mas o tempo não dobra!

Lisa

segunda-feira, outubro 05, 2009



Voz de sonho horas de solidão, assim era a diva. Encantou e amou transmitiu a ternura os sonhos, ela foi a gaivota de um mar, a Viela de Alfama, e Tábua de um caixão, mas sempre será a voz que ficou no coração que um dia calou de dor.
Lisa


ps: Coisa curiosa,retirei uma foto da net,e para que nada viesse a ter problema,cooquei o link da mesmaO meu espanto foi ao abrir hoje o blog e clikar no respectivo link e ver que se dirigia a sites menos próprios,as minhas desculpas por quem aqui andou,mas temos gente para tudo. A foto foi retirada desta página e fica outra.

domingo, outubro 04, 2009



Hoje dia dos animais poderei dizer, que eles fazem parte de nós e da família.E como gostamos dos seus mimos e atenções para nós.Gosto de os ter perto de mim, e cuido deles como se deve,parece o bebé da casa,neste momento só tenho gata, peixes e canários.Nos apartamentos o espaço não dá para mais como gostaria.Já tentei ter uma cadela que me queriam dar,só que a gata com os ciumes,só a agredia,e teve que voltar para tristeza minha, sou contra a violência dos animais e não só, e o que eles sofrem nas mãos de alguns.Sou contra as touradas e não gosto de ver os animais à volta de uma arena,ao sabor dos prazeres,se isto é tradição! Eu não gosto,e para que vejam a minha gata,a minuche assim é seu nome,passa a vida a olhar para o canário que tem de estar alto para que não lhe chegue