quarta-feira, outubro 22, 2008

O Bramir do Mar


Hoje vou escrever algo de uma amiga,que me respondeu a um comentário com um poema. A Laura é assim o seu nome,gosto da forma de seus comentários,com boa disposição e em rima muitas vezes,então aqui vai e tenho autorização do mesma...se ela "bater" eu não deixo.


O bramir do mar...

Ouvir o mar a bramir
Arrasa a muita gente
Eu, não o posso ouvir
Mas sei muito bem sentir

O que ele diz naquele grito
De todos os que lá ficaram
Dos que viviam dele e, de lá
Nunca mais regressaram.

Mar, por que teve de ser assim?
De muita gente seu fim
Por que não os ajudaste
E suas vidas salvaste?

Porque não os devolveste
À terra de seus pais
Porque ficaste com eles
E não voltaram nunca mais?

Dizem que ficam lá
As vidas perdidas e afundadas
Pelas vagas do mar

Para mim serão sempre vidas salvas
Pelas almas que no mar vagueiam
Pois Nosso Senhor tem sempre
Muita da sua Gente presente

Para ajudar a passar
Entre as águas do mar
E o lugar onde vão ficar...

A autora é
http://resteadesol.blogspot.com/

3 comentários:

Manuela disse...

Também gosto muito do barulho do mar, no Inverno adoro vê-lo escuro e medonho.
Beijinhosjá estou doentinha outra vez, agora estou constipada...puxa.
Beijinhos
Manuela

Colibri disse...

Adoro o mar... viver numa zona sem estar perto do mar, não consigo conceber...

Mais depressa tenho sensação de claustrofobia por estar numa zona longe do mar do que estar numa ilha, tal não é a minha paixão pelos oceanos e por tudo o que contêm de natural.

Adoro o barulho das pequenas ondas, que quase não se vêm... adoro as praias de areia branca, como se fossem feitas de açúcar... onde o imaginário levanta vôo sem querermos, tal como o balão de ar quente se eleva no ar e que queremos agarrar...

Bem... acho que também já levantei vôo... rsrsrs

O poema da Laura está lindo... Parabéns!

Beijinhos
Colibri
------
ps: Estou a seguir o teu blog através do novo elemento de página SEGUIDORES do Blogger. Se também quiseres seguir o meu, clica em Colibrir as Emoções...

As minhas últimas rapidinhas nos blogs…
Depois da tempestade…
Parte 7 – As casas de adobe...

Laura disse...

Olá, o colibri gostou do poema, que bom..um beijinho para ti e para ele, laura..