sexta-feira, setembro 26, 2008

Rugas



Algum tempo atrás num dia em visita a biblioteca municipal. Encontrei um poeta que gosto da sua forma de escrita,palavras simples que fala uma linguagem que chega a qualquer um.Como sou uma pessoa simples e gosto de ler e escrevo alguma poesia,a minha maneira claro,é como o meu coração estará na hora,mas hoje vou escrever aqui um poema deste escritor,espero que gostem e tentem ler.

Do Livro Mãos de Sal- Álvaro de Oliveira

Rugas

Nessas rugas
o gosto amargo
da dureza

Na ponta do cajado
o sebo
da nada

No suor
que dia a dia fazes cair na terra
o desespero
do teu ventre

Amigo
o poeta ama-te
vê-te em cada manhã
em cada dia que passas
despercebido

há-de florir um cajado
na tua mão

9 comentários:

Papoila disse...

Olá Amiga:
Obrigada pela partilha deste poema de autor que não conhecia.
Um belo poema dedicado a quem trabalha a terra de sol a sol.
Beijos

SILÊNCIO CULPADO disse...

É uma poema d emensagem forte mas de grande beleza e inquietude.
Gostei.

Abraço

GUILHERME PIÃO disse...

Não conheço o poeta mas gostei.
Você tem bom gosto.
As rugas são o retrato da vida que levamos...
Abraços

mundo azul disse...

É lindo!
Dar um olhar para aquele que passa despercebido é bom...Mas, fazer um poema é maravilhoso!


Beijos de luz e o meu carinho...

instantes e momentos disse...

lindissimo teu blog. Gostei muito daqui. Parabens, muito bom.
Tenha um belo final de semana.
Maurizio

Anónimo disse...

Maria Elisa ou Maripossa

Não sabia que tinha um blog no google.
Interessante:

Sou Sagitário,
gosto de música (nem toda)
poesia e cinema

e tenho como filme favorito Casablanca um clássico que entrou na história
e O Paciente Inglês c/ Cristine Scott Thomas e Ralph Fiennes

Cristine tem muita classe, é fina
e bonita - diferente!...

Gostei do poema "Rugas" - muito!

Como leva as figuras ao google?

Explica? O poema "Solidão" que também está no Sapo, tem uma figura
por cima que eu adoro, mas não fui capaz de a inserir, no google.
Não Sei! Assim como não sei entrar
com o meu nome, mas vou tentar.

Leia no Sapo "Uma Vida"...

Maria Luísa

http://prosa-poetica.blogs.sapo.pt

os7degraus.blogspot.com

Cöllyßry disse...

Olá Lisa, que belo poema em hino que lembra o arduo trabelho da Terra...

Fica ebm, terno beijo

tempoparaamar disse...

Um poema que não conhecia, gostei de conhecer.Beijinhos e bo fim de semana.Salomé

Maria disse...

Um poema de esperança tão bonito....
Não conhecia, obrigada por nos dares a conhecer este autor.

Beijinhos, Lisa