quarta-feira, setembro 03, 2008

Descobertas



O que falar do amor adormecido? Como dizia um grande pensador, “o vento é para o fogo o que a distância é para o amor, apaga as pequenas chamas e aviva as grandes”, dessa mesma forma encaro o amor que sinto agor, ainda é inexplicável, não consigo mais separar o certo do errado, o pecado do não pecado, nem mesmo consigo mais separar ela de mim, ou eu dela, basta nos aproximarmos e ele cresce, sempre foi assim, mas antes eu conseguia controlá-lo, vejo que minha chama era maior do que eu pensava, agora sei, para viver a dois, antes é necessário ser único, fui um só no passado, enquanto ela era uma só, nesse presente, embora sejamos dois corpos, nosso sentimento é único.
O que falar então, apenas do amor? Talvez não tenhamos nada para falar, mas tenhamos tudo para sentir, passei tempo demais sem sentir isso, e agora esse amor me leva e deixo que ele me carregue para onde quiser, pois não existe mais medo, e o que era distância no passado, transformou-se num desejo mútuo de estar perto um do outro e o outro do um, únicos, essa é a palavra, e é isso que separa paixões ardentes, verdadeiras, de paixões medíocres.
Comparações não são bem-vindas quando se trata de amor, existem diversos tipos de amores, e eu redescobri o meu.

Arturo Angelin

12 comentários:

Lúcia Alexim disse...

Seu cantinho é demais!
Tô em votação para destaque no Halma Guerreira e peço seu voto, no meu blog, no canto direito tem o mural para votar. Não esqueça de por seu site. Bjs no coração.
lucia
www.lulexim.blogspot.com

Laura disse...

Ai nina que linda prosa que lindo sentimento e abençoado quem o tem e o sente!...em mim vive apena sno sonho que nunca se fez tão presente!... é a vida, uns mais outros menos, mas cada um ama à sua maneira. Sê feliz. Beijinhos da laura..

Maria disse...

Gostei deste post...
Beijinho grande, Lisa

Subtil disse...

E existe amor adormecido??? Grandes prosas florescem por esta blogosfera....

é só coincidências!

Arturo Angelin disse...

obrigado pela publicação

Arturo Angelin

tempoparaamar disse...

Adorei este post.No amor nada de comparações cada qual ama da sua maneira.Beijinhos

Agulheta disse...

Olá Lúcia. Obrigada pela opinião,irei passar no blo e fazer o que me pede de certeza.
Beijinho Lisa

Agulheta disse...

Amiga Laura.Pois como diz,cada um ama a sua maneira é verdade,mas alguns tem um amor sem limite nem hora,eu gosto.
Beijinho Lisa

Agulheta disse...

Maria. Linda pela opinião,o autor do texto agradeçe,que demos a conhecer o que escrevem.
Beijinho Lisa

Agulheta disse...

Subtil. Na vida temos duas coisas, o amor verdadeiro,e outros adormecidos! Eu prefiro o verdadeiro,aquele que se dá de corpo e alma.
Beijinho Lisa

Agulheta disse...

Salomé. Pois é amiga,eu sei que alguns se entregam ao seu amor,outros ficam pela metade,eu gosto por inteiro.
Beijinho de amizade Lisa

Agulheta disse...

Vou deixar aqui um comentário especial,para alguem muito especial, o escritor da prosa que publiquei e que muito gostei.
É destas coisas que devem ser os blogs,dar a conhecer quem sabe dizer palavras,as quais com grande simplicidade e sentimento... bem haja
Arturo Angelin