sábado, agosto 16, 2008

Fala do Velho do Restelo ao Astronauta



Aqui na terra a fome continua
A miséria e o luto
A miséria e o luto e outra vez a fome
Acendemos cigarros em fogos de napalm
E dizemos amor sem saber o que seja.
Mas fizemos de ti a prova da riqueza,
Ou talvez da pobreza, e da fome outra vez.
E pusemos em ti eu nem sei que desejos
De mais alto que nós, de melhor e mais puro.
No jornal soletramos de olhos tensos
Maravilhas de espaço e de vertigem.
Salgados oceanos que circundam
Ilhas mortas de sede onde não chove.
Mas a terra, astronauta, é boa mesa
(E as bombas de napalm são brinquedos)
Onde come brincando só a fome
Só a fome, astronauta, só a fome.


José Saramago

3 comentários:

Ana S. disse...

Oi amiga. Lindo poema!
Tudo isso acontece na Terra. :(

Olha mandei agora mail para a SIC e estou impressionada com a rapidez na resposta. Enfim, não foi satisfatória mas pelo menos responderam. Se quiseres podes mandar mail para o endereço deles: atendimento@sic.pt
beijinhos

Agulheta disse...

Obrigada Ana. Já escrevi para esta direcção,os chicos espertos,que fazem das pessoas palermas.Devemos protestar. Beijinho Lisa

FERNANDA & POEMAS disse...

Olá querida Lisa, bela postagem Amiga!
Beijinhos de carinho,
Fernandinha