sexta-feira, maio 30, 2008

Sonho




José Fernandes Fafe é diplomata e escritor. Casado, 2 filhos. Nasceu no Porto em 1927 e formou-se em Histórico-Filosóficas na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Com diversas obras publicadas nas áreas da poesia, ensaio e romance, Fernandes Fafe é autor da primeira biografia de Ernesto Ché Guevara ("De Cuba al Terzo Mondo") editada pela Mondadori em finais da década de 60. Embaixador de Portugal, representou o seu País em Cuba, México, Cabo Verde e Argentina. Noutro âmbito, é considerado como o "mentor" da chamada "Esquerda Liberal" portuguesa, sendo o seu livro "A Esquerda, a nova e a eterna" considerado como uma referência incontornável para muitos.

SONHO

Sua presença de mulher foi-se ausentando...
A um gesto seu, diáfano, alou-se o sofrimento...
Tudo era sua voz, mas sem significar
mais que o murmúrio dum encantamento...
Prendia-nos um fio de segredo, murmurado
pelos seus olhos baixados, antes dum sorriso,
com que a meus olhos as coisas se velaram
para lá do seu rosto assim preciso...
Pudor na sua alma ou nos meus dedos?
Como é indizível essa experiência de morrer!
O que me resta é regressar à Vida,
amá-la, delicadamente, como os mortos
— se os mortos pudessem reviver.

8 comentários:

Carminda Pinho disse...

Lisa,
um bonito sonho de um poeta que desconhecia.

Bom fim de semana.
Beijos

Agulheta disse...

Carminda.
Todo o poeta é sonhador,este gostei de ler.
beijinho e bfs lisa

elvira carvalho disse...

Um poeta que desconhecia e que por isso mesmo mais lhe agradeço a partilha.
Um abraço e bom fim de semana

meg disse...

Lisa,
Mais uma pesquisa para fazer, porque desconheço absolutamente o poeta de que falas e gostava de saber mais...
o poema é muito bonito e gosto deste tipo de escrita.
Nós nem sabemos o que temos dentro de portas.
Um abraço e obrigada pela revelação.
Um bom fim de semana.




Lisa, não consigo entrar n ps outros blogues...

Agulheta disse...

Elvira.
Ainda bem que descobrimos a cultura,já que a mesma por vezes foge aos portugas!!!
Beijinho Lisa

Agulheta disse...

Meg.
Pois não sabemos o que temos,é verdade mas muitas vezes interessa que assim seja,depois os outros é que são bons! basta dar a conhecer o nosso povo e nossos poetas e a nossa riqueza.
beijinho Lisa

Cöllyßry disse...

-se os mortos pudessem reviver.

Porque podem, sofrem tanto...

Bela homenagem, belo poema

Bjca terna, amiga

Agulheta disse...

Collybry
Pois é amiga se assim for,um dia encontrarei quem gostei muito.
Beijinho Lisa