terça-feira, maio 06, 2008

Maio 68: Quarenta Anos Depois


Foto da Net


Foi numa Europa pejada de jovens. Numa França em que os números de jovens a estudar representava 16% da população, um total de 8 milhões. Descontentes com o sistema de ensino tradicional e com uma sociedade ainda castradora, os estudantes foram o primeiro sector da sociedade a mostrar a sua insatisfação. Um movimento que se alastrou rapidamente e que, durante um mês, fez tremer o poder instituído em França.

Na Universidade de Nanterre, nos arredores de Paris, a insatisfação deflagrou com ocupações do edifício e confrontos com as autoridades. No segundo dia de Maio a Universidade de Nanterre é encerrada depois de incidentes entre a polícia e os estudantes. Um dia depois é a vez da Universidade de Sorbonne, que na altura estava ocupada por estudantes. A carga policial por parte das Companhais Republicanas de Segurança (CRS) foi forte e resultou na detenção de vários estudantes.

«É proibido proibir»

À provocação dos estudantes a polícia reagiu com repressão. A zona de Quartier Latin, onde fica a Sorbonne, foi palco das primeiras barricadas e continuou a ser um dos principais pontos de agitação. Desses confrontos resultaram centenas de feridos ao longo do mês.

Na noite de 10 para 11 de Maio acontecem os distúrbios mais violentos. Entre carros incendiados e pedras da calçada arrancadas e usadas como armas de arremesso, o confronto entre polícias e estudantes foi marcante.

Aos estudantes juntam-se os trabalhadores

Outros sectores da sociedade começam ao mesmo tempo a juntar-se à revolta. Os sindicatos apelaram à greve e os operários corresponderam a esse apelo. Reclamavam melhores horários de trabalho e salários mais justos. De 200 mil operários em greve, passou-se para 2 milhões. Até que no ponto mais alto do conflito eram cerca de 10 milhões os trabalhadores em protesto.

Os confrontos com a polícia alargaram-se para outras cidades do país. Foi na segunda metade do mês de Maio que o presidente Charles De Gaulle falou ao país, quando a actividade económica francesa já se encontrava praticamente parada. No dia 30 de Maio De Gaulle dissolve a Assembleia Nacional e ameaça usar as Forças Armadas para controlar a agitação.

A calma depois da tempestade

No final de Maio a calma começou a regressar, e os bens e serviços essenciais voltaram a estar disponíveis. Os sectores mais conservadores dão início a uma vaga de apoio ao general De Gaulle, que acaba por ganhar as eleições de Junho com larga vantagem.
Os partidos de esquerda saíram das eleições com menos força na Assembleia e sob o peso de uma derrota. A sociedade francesa tinha sido abalada por um movimento repentino que sacudiu as instituições e que serviu para repensar, nas décadas seguintes, os costumes, as ideias, o papel das minorias.
Um dos ícones do Maio de 68 vem a Portugal
Daniel Cohn-Bendit foi uma das caras e vozes mais importantes da revolta estudantil de Maio de 68. Estudante na Universidade de Nanterre, e actualmente deputado no Parlamento Europeu, Cohn-Bendit liderou grande parte das acções de revolta. No dia 12 de Junho vai estar na Fundação Mário Soares para uma conferência sobre o Maio de 68, numa altura em que se comemoram os 40 anos do movimento.

11 comentários:

Papoila disse...

Querida Lisa:
40 anos sobre esse Maio que vivi intensamente!
Muito bom este teu artigo.
Beijos

FERNANDA & POEMAS disse...

Olá querida Lisa, belo texto... Muito bem decomentado!
Quarenta anos depois e continua tudo tão actual... beijinhos de carinho,
Fernandinha

tempoparaamar disse...

De nada sabia mas agradeço pelo post pois assim muito mais fiquei a saber.Beijinhos

Carminda Pinho disse...

Lisa,
e já passaram 40 anos...
É proibido proibir, uma palavra de ordem que ficou para sempre, na nossa memória.

Beijos

maresia_mar disse...

puxa como estou a ficar cota, e já lá vão 40 anos!
bom resto de semana
Beijos

Agulheta disse...

Papoila.
Agradeço amiga as palavras,mas eu igualmente senti um pouco,tudo isto embora de outra forma.
Beijinho Doce Lisa

Agulheta disse...

Fernanda.
Tens muita razão,tudo tão actual...porquê será! vamos pensar que poucos querem mudanças.
Beijinho Lisa

Agulheta disse...

Salomé.
Pois é minha amiga,deve ser mais jovem do que eu,e não lembra deste pesadelo? mas de grande luta.
Beijinho Lisa

Agulheta disse...

Carminda. Pois é amiga já passaram 40 mas ainda estou aqui para bater o pé.
Beijinho Lisa

Agulheta disse...

Maresia.
Quem disse que estamos cotas"sou com um pouco de (uzo) dizem os maridos,mas ainda estamos para as curvas...ou não.
Beijinho Lisa

Sophiamar disse...

Um post fantástico. É Maio e tempo de recordar outros tempos que não podemos esquecer.

Beijinhos