segunda-feira, maio 12, 2008

Datas Aniverssário


Foto da Net

Manuel Alegre de Melo Duarte (Águeda, 12 de Maio de 1936) é um poeta e político português, foi opositor do regime salazarista.

Esteve exilado na Argélia durante o período Estado Novo. É membro destacado do Partido Socialista português, partido do qual foi fundador e Vice-Presidente e pelo qual é deputado na Assembleia da República. Concorreu em 2004 às eleições internas para Secretário-Geral do PS, tendo perdido para José Sócrates.

Estudou Direito na Universidade de Coimbra. Desde muito cedo demonstrou os seu ideais políticos. Cumpriu o serviço militar na guerra colonial em Angola. Nessa altura, foi preso pela polícia política (PIDE) por se revoltar contra a guerra. Em paralelo à carreira política, produziu larga obra literária que lhe conferiu notoriedade tanto nos meios académicos como nos meios populares. Destaca-se sobretudo a sua obra poética.

Recebeu numerosos prémios literários e o Prémio Pessoa em 1999. Em 2005 é académico correspondente da Academia das Ciências de Lisboa.

Também recebeu o primeiro prémio do Festival RTP da Canção, com seu poema Uma flor de verde pinho, musicada por José Niza e cantada, com toda pompa e circunstância, por Carlos do Carmo, vencendo canções de Ary dos Santos.

Em Setembro de 2005 anunciou a sua candidatura às eleições para a Presidência da República realizadas em 22 de Janeiro de 2006. Alegre obteve 20,72% dos votos, não conseguindo evitar a vitória à primeira volta de Cavaco Silva, mas conseguindo um resultado superior ao de Mário Soares, candidato oficial do Partido Socialista.

Após as eleições, formou um movimento cívico, denominado Movimento de Intervenção e Cidadania.

As Mãos

Com mãos se faz a paz se faz a guerra.
Com mãos tudo se faz e se desfaz.
Com mãos se faz o poema - e são de terra.
Com mãos se faz a guerra - e são a paz.

Com mãos se rasga o mar. Com mãos se lavra.
Não são de pedras estas casas, mas
de mãos. E estão no fruto e na palavra
as mãos que são o canto e são as armas.

E cravam-se no tempo como farpas
as mãos que vês nas coisas transformadas.
Folhas que vão no vento: verdes harpas.

De mãos é cada flor, cada cidade.
Ninguém pode vencer estas espadas:
nas tuas mãos começa a liberdade.

Manuel Alegre

15 comentários:

meg disse...

Uma voz que cada vez mais vai sendo recordada como se de outro alerta se tratasse.
Assim o manda o rumo que o país tomou ou aquilo em que se tornou.
Um abraço.

Agulheta disse...

Meg.
É verdade,pois tudo esta muito complicado.
Beijinho doce amiga Lisa

Ludo Rex disse...

Parabéns pelo Poeta que é e por ser um Defensor das Liberdades...
Kiss e Boa Semana

Cöllyßry disse...

Doce amiga, com mãos se adoça, com as mesma se fere...

E ficaram para a posteridade...

Já bem?

Terno e doce beijo

SILÊNCIO CULPADO disse...

Agulheta
Manuel Alegre é e será sempre uma referência. Nesta altura em que os conflitos sociais se adensam pela degradação das condições de vida dos mais pobres, recordar Alegre é trazer à tona todo um conjunto de ideais que se perderam ou estão adormecidos.
Abraço

Sophiamar disse...

Manuel Alegre é um daqueles que sempre pugnou pela Liberdade. Não se fez com o 25 de Abril. Ele fez o 25 de Abril com aquele coro de vozes que sempre se ergueu contra a ditadura.

Beijinhos

Bem hajas!

maresia_mar disse...

Olá
pena as vozes da liberdade estarem a ficar tão roucas de gritar em vão.. Um beijo minha querida

Agulheta disse...

Meg. Eu sou da geração do medo e da revolta,por esta razão não quero para mim e para os meus o passado.
Beijinho Lisa

Agulheta disse...

Ludo.
Pois ele foi e será,a voz da liberdade. Beijinho Lisa

Agulheta disse...

Collybry.
Pois as mãos,tem duas funções,dar e tirar,mas não vejo este a tirar muito,penso eu?
Beijinho Lisa

Agulheta disse...

Amiga Lídia.
Penso que se tenta chamar atenção,dos políticos e outros para que algo está mal,esperamos deles melhor neste momento.
Beijinho Lisa

Agulheta disse...

Sophia.
Tens muita razão,ele não é o político do depois! foi do antes e muito antes,era bom lembrar alguns,e não acredito que o mesmo esteja contente com tudo isto.
Beijinho Lisa

Agulheta disse...

Maresia.
Perante certas coisas que vejo no dia a dia,tens razão,mas deviamos todos pedir responsabilidades a quem mente ao povo que os coloca lá.
Beijinho Lisa

Carminda disse...

Lisa,
Manuel Alegre para além de um grande poeta é um grande defensor da Liberdade, dos direitos sociais e de muitos dos que no nosso País ainda não têm voz.
Que esteja entre nós durante muitos mais anos.

Beijos

Agulheta disse...

Carminda.
Pois é amiga,e muito ele tem dito,mas outros não deixam ele organizar pensamentos.
Beijinho Lisa